O Livro do Profeta MALAQUIAS comentado.

Malaquías, Mau'aki em hebreu, significa "meu mensageiro". Entretanto, a palavra
poderia ser uma contração de Mau'akiyah que significaria "mensageiro de
Yahweh". Por não achar-se em nenhuma outra parte do AT, alguns acreditaram que
Malaquías não era o nome do profeta, a não ser meramente uma designação dele
como "mensageiro" de DEUS.

2. Paternidade literária.-

O profeta não faz nenhuma referência biográfica nem nos dá a data de seu
ministério. Entretanto, fica pouca dúvida de que ele fosse o último dos
profetas do AT. Pelo conteúdo de seu livro é evidente que Malaquías
profetizou quando o cativeiro quase tinha passado ao esquecimento e depois de que o
templo tinha sido restaurado e seu culto instituído por algum tempo. Os abusos
condenados pelo Malaquías são muito parecidos com os que se produziram durante a
ausência do Nehemías de Jerusalém, enquanto estava na corte persa (Neh.
13:6). Muito possivelmente o livro foi escrito ao redor de 425 A. C. De todos
modos, acredita-se que o livro devesse levar a data do tempo do Nehemías ou
pouco depois.

3. Marco histórico.-

Muitos anos depois do retorno original do cativeiro babilônico, Nehemías
-"copero" do rei Artajerjes (ver com. Neh. 1:11)-, ouviu que não eram boas as
condicione em Jerusalém e pediu permissão para visitar seus compatriotas que se
encontravam ali. O rei acessou facilmente ao pedido, e outorgou ao Nehemías uma
licencia por um período que não conhecemos (Neh. 5-6). Nehemías foi renomado
governador e, começando em 444 A. C., levou a cabo uma grande obra de reforma
entre os repatriados durante um período de 12 anos (ver com. Neh. 5: 14).
Depois que retornou a Babilônia, passaram alguns anos antes de que voltasse para
Judea. A sua volta, encontrou uma marcada decadência espiritual que procurou
corrigir. Foi durante este lapso, talvez entre os dois períodos em que
Nehemías atuou como governador, quando o Senhor suscitou ao profeta Malaquías
para que o povo de novo servisse sinceramente a Deus. Há um resumo mais
completo do marco histórico do Malaquías no T. 111, pp. 75-81.

4. Tema.-

Em contraste com o emocionante bosquejo profético do Zacarías em relação às
possibilidades ilimitadas que se brindavam aos Judeus a sua volta do exílio
(ver pp. 31-34, 1107), a profecia do Malaquías, um século mais tarde, apresenta
uma cena lúgubre de decadência espiritual progressiva. Os exilados haviam
retornado da terra de seu cativeiro à terra de promissão, mas em seu
coração permaneciam no longínquo país da desobediência e o esquecimento de Deus
(ver pp. 33-34). "Este1144 descumprimento do propósito divino era muito evidente
em dias do Malaquías" (PR 520). Em realidade, as coisas tinham chegado a um
ponto tal que até os sacerdotes menosprezavam o culto e o serviço a Deus e
estavam enfastiados da religião (cap. 1: 6, 13); Deus por sua parte estava
cansado de sua infidelidade e de maneira nenhuma podia aceitar seu culto e seu
serviço (cap. 1: 10, 13; 2: 13, 17). Embora na prática o pacto se havia
anulado por negligência, Deus seguia tolerando misericordiosamente a seu povo
extraviado.

Deus comissionou ao profeta Malaquías para que desse uma severo mensagem de
admoestação que recordasse aos Judeus o que tinham sido antes como nação, e
insistisse-os a voltar para Deus e reconhecer os requisitos do pacto (PR 520-521).
Oito vezes, bondosa e pacientemente, o Senhor se dirige ao povo e a seus
dirigentes religiosos, lhes chamando a atenção a um aspecto atrás de outro de seu
apostasia, e oito vezes, impacientemente, eles recusam reconhecer imperfeição
alguma (cap. 1: 2, 6-7; 2: 13-14, 17; 3: 7-8, 13-14). O paciente esforço de
Deus para conseguir que os israelitas reconhecessem seus enganos do passado,
junto com a negação cada vez mais veemente de parte do povo de haver
cometido equívoco alguma, constitui o tema do livro, o qual se
desenvolve como segue:

A.

Com suavidade Deus começa lhe recordando ao Israel seu amor eterno, mas eles
protestam duramente alegando que falta uma prova de que ele os ama. Deus
responde lhes recordando que foi em virtude de seu amor pelo que eles haviam
chegado a ser uma nação (cap. 1: 2-4).

B.

Observando que o Israel devia dar a Deus a honra que um filho dá a um pai, Deus
acusa-os desprezá-lo em vez de corresponder a seu amor. Negam a acusação
obstinadamente (vers. 6).

C.

Deus demonstra que o desprezam, assinalando sua conduta para com os sagrados
ritos do templo como uma ilustração. poluíram ou feito vulgares as
coisas mais sagradas. Mas sua reação indica completa cegueira para distinguir
entre o sagrado e o comum (vers. 7). Têm uma "aparência de piedade" mas
nada sabem de seu "eficácia" (2 Tim. 3: 5).

d.

Deus explica em detalhes a inutilidade de sua vazia rotina de cerimônias
religiosas (cap. 1: 18 a 2: 12), concluindo com o anúncio de que ele já não
tomará em conta suas ofensas nem as aceitará (cap. 2: 13). Descaradamente e
pretendendo que seus sentimentos foram feridos, o povo demanda saber por
que Deus passa por cima dessa maneira seu culto e serviço (vers. 14). Com
paciência ele lhes explica que as formas da religião não têm valor quando
seus princípios não se aplicam aos problemas práticos da vida diária (vers.
14-16).

E.

Deus também está cansado de sua hipócrita pretensão de piedade. O povo se
defende insinuando que a acusação divina não tem fundamento e é injusta.
Deus responde assinalando que a incapacidade deles para distinguir entre o
sagrado e o comum nos atos do culto está acompanhada por um fracasso
similar para discernir entre o bom e o mau na vida diária. Diminuem o
mau com a desculpa de que realmente não tem importância, com o que sugerem
que Deus não devesse ofender-se enquanto mantenham as formas da religião
(vers. 17). Mas Deus os admoesta lhes dizendo que a impenitência obstinada
indevidamente terá o resultado de apressar o dia do castigo final (cap.
3: 1-6).

F.

Deus agora acusa ao Israel de completa apostasia. Não obstante, acompanha a
solene acusação com um bondoso convite para que se voltem para ele. Sem
embargo, eles fingem completa surpresa e indignação ante o pensamento de
que de algum jeito se desviaram do caminho da obediência estrita
aos requerimentos divinos (vers. 7). 1145

G.

Deus responde o desafio com provas específicas e tangíveis de seu desencaminhamento.
Acusa-os de roubo, mas se negam a reconhecer a acusação. Entretanto, seu
silêncio constitui o reconhecimento tácito dessa verdade (vers. 8-12).

H.

Finalmente, Deus acusa aos Judeus por suas descaradas respostas ante o
contínuo esforço divino para lhes fazer ver sua condição espiritual, mas eles
negam-se a admitir que hajam dito alguma coisa falsa ou imprópria (vers. 13).
Deus contradiz essa negativa assinalando a essência do problema: seu espírito
mercenário e egoísta. Não estiveram servindo a Deus de coração sincero, a não ser
com a esperança de obter proveito e vantagem pessoal (pp. 34-35). Com uma
atitude completa e incurablemente desafiante estão preparados a pôr a Deus a
prova. Declaram sua disposição de ajuizá-lo, por assim dizê-lo, com a
confiança temerária de que provarão que suas acusações contra eles não têm
base (vers. 14-15).

Nos cap. 3: 16-18 e 4: 2 Deus reconhece que há uns poucos fiéis no Israel
que lhe permanecem leais, e lhes assegura seu amor inalterável. Ao mesmo tempo
(cap. 4:1, 3) adverte aos ímpios da sorte que correrão no dia do
castigo final. A mensagem do Malaquías termina com a segurança de que antes
do grande dia do Jehová aparecerá seu mensageiro que lhe ajudará na obra de
preparar a seu "tesouro" para sua coroa e que o preservará durante o dia do
castigo (caps. 4: 4-6, 2; 3: 17).

O mensa e do Malaquías é particularmente apropriado para a igreja de hoje, e
é comparável à mensagem para a Laodicea do Apoc. 3: 14-22. Como os laodicenses,
os Judeus dos dias do Malaquías eram completamente insensíveis a se
verdadeira condição espiritual, e não sentiam necessidade "de nada" (Apoc.
3: 17). Eram pobres no que corresponde ao tesouro celestial, cegos quanto a seus
enganos, e nus, ou desprovidos do caráter perfeito do Jesucristo (vers.
17). Como o homem da parábola que não tinha vestido de bodas (ver com. Mat.
22: 11-13), estavam diante do Rei do universo, desprezando o vestido da
Justiça divina, e contentássemos com seus próprios farrapos morais.

5. Bosquejo.-

I. O amor divino não é apreciado nem correspondido, 1: 1-6.

     A. Introdução, 1: 1.

     B. O amor eterno de Deus para o Israel, 1: 2-5.

     C. o Israel desonra e menospreza a Deus, 1: 6.

II. Degeneração da vida religiosa, 1: 7 a 2: 17.

     A. Fracasso em distinguir entre as coisas sagradas e comuns, 1:7-10.

     B. Fracasso dos Judeus em sua missão aos gentis, 1: 11-12.

     C. Fracasso dos sacerdotes na condução espiritual, 1: 13 a 2: 13.

     D. Fracasso na aplicação dos princípios da religião à vida
diária, 2: 14-17.

III. Uma convocação ante o tribunal, 3: 1-15.

     A. Uma admoestação quanto ao dia do Julgamento, 3: 1-6.

     B. Uma acusação específica por roubo a Deus, 3: 7-12.

     C. Uma acusação por menosprezar a Deus, 3: 13-15.

IV. Preparação para o dia do Julgamento, 3: 16 a 4: 6.

     A. Resgate dos que temem ao Senhor, 3: 16-17.

     B. Aniquilação dos que desprezam ao Senhor, 3: 18 a 4: 1, 2.

     C. Se assegura a condução divina para os que temem ao Senhor, 4: 2, 4-6.
1146

CAPÍTULO 1

1 Malaquías se queixa da ingratidão do Israel. 6 Seu irreligiosidad, 12 e
profanação.

1 PROFECIA da palavra do Jehová contra Israel, por meio do Malaquías.

2 Eu lhes amei, diz Jehová; e disseram: No que nos amou? Não era Esaú
irmão do Jacob? diz Jehová. E amei ao Jacob,

3 e ao Esaú aborreci, e converti seus Montes em desolação, e abandonei sua herdade
para os chacais do deserto.

4 Quando Edom dijere: Empobrecemo-nos, mas voltaremos a edificar o
arruinado; assim há dito Jehová dos exércitos: Eles edificarão, e eu
destruirei; e lhes chamarão território de impiedade, e povo contra o qual
Jehová está indignado para sempre.

5 E seus olhos o verão, e dirão: Seja Jehová engrandecido além dos
limites do Israel.

6 O filho honra ao pai, e o servo a seu Senhor. Se, pois, sou eu pai,
onde está minha honra? e se for Senhor, onde está meu temor? diz Jehová dos
exércitos a vós, OH sacerdotes, que menosprezam meu nome. E dizem: Em
o que menosprezamos seu nome?

7 Em que oferecem sobre meu altar pão imundo. E disseram: No que lhe havemos
desonrado? Em que pensam que a mesa do Jehová é desprezível.

8 E quando oferecem o animal cego para o sacrifício, não é mau? Do mesmo modo
quando oferecem o coxo ou o doente, não é mau? Apresenta-o, pois, a você
príncipe; acaso se agradará de ti, ou lhe será aceito? diz Jehová dos
exércitos.

9 Agora, pois, orem pelo favor de Deus, para que tenha piedade de nós.
Mas como podem lhe agradar, se fizerem estas coisas? diz Jehová dos
exércitos.

10 Quem também tem que vós que fechamento as portas ou ilumine meu altar de
balde? Eu não tenho complacência em vós, diz Jehová dos exércitos, nem
de sua mão aceitarei oferenda.

11 Porque de onde o sol nasce até onde fica, é grande meu nome
entre as nações; e em todo lugar se oferece a meu nome incenso e oferenda
poda, porque grande é meu nome entre as nações, diz Jehová dos
exércitos.

12 E vós o profanastes quando dizem: Imunda é a mesa do Jehová, e
quando dizem que seu alimento é desprezível.

13 Hão além dito: OH, o que chateio é isto! e me desprezam, diz
Jehová dos exércitos; e trouxeram o furtado, ou coxo, ou doente, e
apresentaram oferenda. Aceitarei eu isso de sua mão? diz Jehová.

14 Maldito o que engana, que tendo machos em seu rebanho, promete, e
sacrifica ao Jehová o prejudicado. Porque eu sou Grande Rei, diz Jehová dos
exércitos, e meu nome é temível entre as nações.

1.

Profecia.

Heb. maÑÑa "carga", "pronunciamento", ou "oráculo" (BJ). Ver com. ISA. 13: 1.
A "carga" do Malaquías era que o Israel não esquecesse as lições do passado.

2.

Amei-lhes.

Esforçando-se para que seu povo compreendesse sua ingratidão, o Senhor formula
certas perguntas diretas. Seu amor os constituiu como nação (Deut. 7:
6-9; ver P. 1144).

No que?

Esta é primeira de uma série de perguntas -Características do livro de
Malaquías- que manifestam a atitude de justiça própria da gente dos
dias do Malaquías. Possivelmente essas perguntas não foram em realidade pronunciadas por
o povo, mas com toda segurança refletem o pensamento íntimo da nação.
As palavras "no que" resumo a profunda indiferença da gente pelas
coisas espirituais e são a nota dominante do livro.

E amei.

"Entretanto eu amei" (BJ). Refiriéndose a irmãos que eram gêmeos (Gén. 25:
24-26), e que portanto tinham a mesma herança e procediam do mesmo
ambiente, o Senhor se esforça por explicar a quão judeus o favor divino não
prodigalizou-se sobre o Israel devido a seu nascimento a não ser a seu caráter. Embora Jacob
cometeu penosos enganos, 1147 finalmente consagrou sua vida ao serviço de Deus.

3.

Ao Esaú aborreci.

Pelo contexto, parece que em primeiro lugar se faz referência aqui ao Edom, a
nação dos descendentes do Esaú, e não ao Esaú mesmo. O uso da palavra
"aborreci" é uma típica hipérbole do Próximo Oriente (cf. Gén. 29: 33; Deut.
21: 15; ver com. Sal. 119: 136), e não deve tomar-se em seu sentido mais forte. O
Senhor explica aqui sua preferência pelo Jacob e seus descendentes com respeito a
Esaú e os seus. É obvio, esta diferença se deveu à relação dos
dois irmãos com Deus. devido a que Jacob tinha uma inclinação espiritual e a
classe de fé que salva a alma, e amava as coisas de Deus, seus pecados foram
perdoados e desfrutou de do favor e comunhão de Deus. Em troca, Esaú era
mundano, "profano", sem desejo nem amor pelas coisas divinas, por isso o
favor divino não pôde alcançá-lo (Heb. 12: 16-17).

Desolação.

Quando os israelitas retornaram do cativeiro, voltaram a cultivar sua terra
e restauraram a Jerusalém e seu templo, em troca, parece que os edomitas não
fizeram algo similar para reparar a desolação e destruição causada pelos
babilonios.

Chacais.

O país do Edom foi abandonado para que vagassem por ele essas bestas selvagens.

4.

Quando.

Ou, "posto que", ou "se" (BJ). Se os edomitas houvessem resolvido restaurar seus
moradas -em contra do propósito de Deus- o Senhor se haveria interposto para
impedir que o fizessem.

Jehová dos exércitos.

Ver com. Jer. 7: 3. Este título aparece com freqüência no livro de
Malaquías.

para sempre.

Heb. 'ad 'olam (ver com. Exo. 12: 14; 21: 6; 2 Rei. 5: 27).

5.

Seus olhos.

Isto é, os do Judá. Quando o povo compreendesse a realidade do amor de
Deus, seus queixa e falações se transformariam em louvor e gratidão por
a bondade divina.

além dos limites do Israel.

A LXX é mais enfática: "por cima dos limites do Israel". Esta expressão
possivelmente signifique o mundo inteiro.

6.

Minha honra.

Como Criador deles -Aquele que especialmente os tinha eleito, guardado e
protegido-, Deus era o Pai de seu povo (Exo. 4: 22; Deut. 32: 6). Pelo
tanto, tinha direito a receber sua reverência e respeito.

OH sacerdotes.

Deus agora dirige sua recriminação aos que representavam a religião ante o
povo e que deveriam ter sido tanto exemplos como professores (ver com. 2 Crón.
15: 3) de obediência e santificação.

No que?

Ver com. vers. 2. Insensíveis a sua condição espiritual, os sacerdotes não
declaravam sua culpabilidade (ver P. 1144).

Menosprezado seu nome.

Em vez de corresponder ao amor divino, desprezavam a Deus (vers. 2).

7.

Pão.

Heb. léjem, que às vezes designa ao alimento em geral (Gén. 3: 19; 43: 32;
Exo. 2: 20). "Pão" não podia referir-se ao pão da proposição, pois não se o
oferecia sobre o altar. Possivelmente "pão" se refira aqui à carne dos
sacrifícios de animais (Lev. 3: 9-11, 15-16). Provavelmente este é só um
dos muitos exemplos que poderiam dar-se de seu descuido em seguir o ritual de
a lei.

No que?

Ver com. vers. 2. Estando espiritualmente cegos, os sacerdotes não viam que
ao oferecer "pão imundo [comum]" tinham desonrado ao Senhor.

Em que pensam.

Possivelmente não manifestavam desprezo pelo altar do Senhor mediante suas palavras,
mas sim mas bem o faziam por seus atos, ao trazer "pão imundo" ao altar (ver P.
1144).

Mesa do Jehová.

Sem dúvida uma referência ao altar dos sacrifícios.

8.

Oferecem o animal cego.

Posto que a lei requeria que se sacrificassem animais "sem defeito" (Lev. 22:
19), mencionado-los neste versículo eram uma ofensa para Deus. O povo
raciocinava que não havia diferença se as vítimas que se sacrificavam eram
perfeitas ou não. Assim podiam desfazer-se das ovelhas disformes ou do gado
defeituoso, e ficavam com os animais sãs e perfeitos. O propósito de
Deus é que os homens lhe dêem o melhor. Reservar o melhor para outra finalidade
é uma evidência de que Deus não prepondera na vida. lhe oferecer a Deus algo
menos que o primeiro lugar, em realidade é não lhe dar lugar algum.

Príncipe.

Heb. pajah, "governador provincial" (ver com. Hag. 1: 1). Tivesse sido um
insulto lhe oferecer algo defeituoso a um dignatario tal. Se isto era assim
tratando-se de um ser humano, quanto mais o seria no caso do grande e
excelso "Jehová dos exércitos" (ver com. Jer. 7: 3). 1148

Será-lhe aceito.

Literalmente, "eleva seu rosto", no sentido de receber com agrado.

9.

Orem.

Aqui Malaquías roga insistentemente que os sacerdotes se arrependam.

Se fizerem estas coisas.

Ou melhor, "de suas mãos vem isto" (BJ). Em outras palavras, é esta
ação o que lhes atrevem a fazer, ou esta oferenda o que lhes atrevem a trazer?

10.

Quem também tem que vós?

O profeta reprova aos que serviam no templo com espírito mercenário, os
que não efetuavam sua obra para Deus fiel e eficazmente, embora eram remunerados
até pelo serviço mais pequeno.

Oferenda.

Heb. minjah, pelo general a oferenda de "farinha" (ver com. Lev. 2: 1). Possivelmente
o profeta quer dizer aqui que essas oferendas de cereal, que naturalmente não
estavam poluídas, não eram aceitáveis para Deus devido ao espírito errôneo
com que eram oferecidas.

11.

De onde o sol nasce.

Era o propósito de Deus que seu culto verdadeiro se pulverizasse por toda a
terra (ver pp. 27-40).

Em todo lugar.

Cf. ISA. 19: 18-19; Sof. 2: 11.

12.

Profanaste-lo.

Quer dizer, o "nome" de Deus (vers. 11).

Dizem.

Ver com. vers. 7.

Mesa do Jehová.

Ver com. vers. 7.

13.

Hão além dito.

Ver com. vers. 7.

O que chateio!

Alusão ao aborrecimento desdenhoso com que os sacerdotes realizavam os serviços do
templo.

Desprezam-me.

Isto indica até que ponto os sacerdotes desprezavam o altar.

Furtado-o.

Quer dizer, "tomado por violência", coisas roubadas ou tiradas de maneira.

Coxo, ou doente.

Ver com. vers. 8.

Aceitarei eu?

Bem sabiam que nenhum ser humano receberia com agrado tais oferendas (vers.
8). por que pensavam que Deus se agradaria?

14.

Maldito.

O castigo divino descenderia sobre aquele que, tendo "machos em seu rebanho"
que fossem aceitáveis, oferecesse em troca "prejudicado-o", quer dizer um sacrifício
defeituoso (ver Lev. 3: 1, 6).

Temível.

Heb. nora', do verbo yara', "temer" (ver com. Sal. 19: 9). Aqui se emprega
"temível" com o significado de "considerado com reverência e temor".

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1 PR 521

6-8 CRA 194

6-9 ECFP 34

8 2T 259; 7T 175

9 PR 521

10 2T 344

11 PR 521

12-14  1JT 552

13 CMC 213; CRA 195; ECFP 34; 1JT 32, 67; MB 303; MJ 340; 1J 221; 3T 546; 6T
412

14 7T 175

CAPÍTULO 2

1 O Profeta reprova agudamente aos sacerdotes por descuidar seu pacto; 11 ao
povo, por sua idolatria, 14 pelo adultério, 17 e pela infidelidade.

1 AGORA, pois, OH sacerdotes, para vós é este mandamento.

2 Se não oyereis, e se não decidir de coração dar glória a meu nome, há dito
Jehová dos exércitos, enviarei maldição sobre vós, e amaldiçoarei suas
bênções; e até as amaldiçoei, porque não lhes decidistes que coração.

3 Hei aqui, eu lhes danificarei a sementeira, e lhes jogarei ao rosto o esterco, o
esterco de seus animais sacrificados, e serão arrojados juntamemte com
ele.

4 E saberão que eu lhes enviei este mandamento, para que fosse meu pacto com o Leví,
há dito Jehová dos exércitos. 1149

5 Meu pacto com ele foi de vida e de paz, as quais coisas eu lhe dava para que me
temesse; e teve temor de mim, e diante de meu nome esteve humilhado.

6 A lei de verdade esteve em sua boca, e iniqüidade não foi achada em seus lábios;
em paz e em justiça andou comigo, e a muitos fez se separar da iniqüidade.

7 Porque os lábios do sacerdote têm que guardar a sabedoria, e de sua boca o
povo procurará a lei; porque mensageiro é do Jehová dos exércitos.

8 Mas lhes apartastes que caminho; fizeram tropeçar a muitos em
a lei; corrompestes o pacto do Leví, diz Jehová dos exércitos.

9 portanto, eu também lhes tenho feito vis e baixos acima de tudo o povo, assim como
vós não guardastes meus caminhos, e na lei fazem acepção de
pessoas.

10 Não temos todos um mesmo pai? Não nos criou um mesmo Deus? por que,
pois, levamo-nos deslealmente o um contra o outro, profanando o pacto de
nossos pais?

11 Prevaricou Judá, e no Israel e em Jerusalém se cometeu abominação;
porque Judá profanou o santuário do Jehová que ele amou, e se casou com filha
de Deus estranho.

12 Jehová cortará das lojas do Jacob ao homem que isto hiciere, ao que
vela e ao que responde, e ao que oferece oferenda ao Jehová dos exércitos.

13 E esta outra vez farão cobrir o altar do Jehová de lágrimas, de pranto, e
de clamor; assim não olharei mais à oferenda, para aceitá-la com gosto de
sua mão.

14 Mas dirão: por que? Porque Jehová testemunhou entre ti e a mulher de você
            juventude, contra a qual foste desleal, sendo ela você
companheira, e a mulher de seu pacto.

15 Não fez ele um, havendo nele abundância de espírito? E por que um?
Porque procurava uma descendência para Deus. lhes guarde, pois, em seu espírito,
e não sejam desleais para com a mulher de sua juventude.

16 Porque Jehová Deus do Israel há dito que ele aborrece o repúdio, e ao que
cobre de iniqüidade seu vestido, disse Jehová dos exércitos. lhes guarde, pois, em
seu espírito, e não sejam desleais.

17 Têm feito cansar ao Jehová com suas palavras. E dizem: No que o
cansamos? Em que dizem: Qualquer que faz mal agrada ao Jehová, e nos
tais sente prazer; ou se não, onde está o Deus de Justiça?

1.

Sacerdotes.

Os que deveriam ter sido dirigentes e professores espirituais (ver com. 2
Crón. 15: 3) são aqui censurados pelo profeta (Mau. 2: 1-3).

2.

Amaldiçoarei suas bênções.

Possivelmente seja uma alusão às bênções que os sacerdotes estavam acostumados a pronunciar
sobre o povo (Lev. 9: 22-23; Núm. 6: 23-26), mas o mais provável é que se
refira às bênções que Deus mesmo lhes tinha prodigalizado (ver pp. 29-30),
tais como as que lhes prometeu mediante o profeta Hageo um século antes (Hag.
2: 15-19).

Até as amaldiçoei.

"Amaldiçoei-as já" (BJ). A "maldição" já deveria ter sido evidente para
esses sacerdotes e também para o povo.

3.

Danificarei.

Heb. GA'ar, "repreender".

Jogarei-lhes... esterco.

Máxima demonstração de desprezo.

De seus animais sacrificados.

"De suas festas" (BJ). Deus não considerava suas as festas celebradas em
sua honra, pois na observância delas os sacerdotes só manifestavam seu
própria vontade e seu próprio gosto.

4.

Saberão.

O povo comprovaria por sua própria experiência e em forma inequívoca que essas
ameaças divinas não eram em vão.

Meu pacto.

O pacto "do sacerdócio perpétuo" (Núm. 25: 13) foi feito com o Finees, neto de
Aarón, por sua participação em eliminar o culto do Baal-pior do acampamento de
Israel (Núm. 25: 3-13).

Com o Leví.

A tribo do Leví foi escolhida Por Deus para o serviço divino devido à
fidelidade de seus membros durante uma grave crise (ver com. Exo. 32: 29).

Jehová dos exércitos.

Ver com. Jer. 7: 3.

5.

Meu pacto.

Ver com. vers. 4.

De vida e de paz.

O "pacto de paz" consertado com o Finees (Núm. 25: 12) é explicado como "o
pacto do sacerdócio perpétuo" (Núm. 25: 13). "Vida e paz" eram a parte de
Deus nesse convênio. Essas bênções seriam prodigalizadas sobre todos os
sacerdotes fiéis depois do Finees. 1150

Para que me temesse.

Deus deu sua bênção ao Finees porque "teve temor" do Eterno. De modo que a
parte dos sacerdotes no pacto era reverenciar e obedecer a Deus. Mediante
seu profeta, agora o Senhor se esforçava por renovar seu pacto glorioso com os
sacerdotes dos dias do Malaquías, os que - devido a sua impiedade- haviam-se
convertido em "vis e baixos acima de tudo o povo" (vers. 9).

6.

Lei.

Heb. torah, todo o conjunto do ensino ou instrução divina (ver com.
Deut. 31: 9; Prov. 3: 1). Este versículo mostra que Deus tinha o propósito de
que os sacerdotes fossem dirigentes espirituais tanto por preceito como por
exemplo.

7.

Guardar a sabedoria.

Quer dizer, deviam preservar ou custodiar o conhecimento. Eram os caudilhos
religiosos da nação, e entretanto seu exemplo era para o povo um modelo
de desobediência.

Procurará a lei.

O povo tinha o direito de esperar que os sacerdotes lhe dessem a devida
instrução em assuntos espirituais (ver com. 2 Crón. 15: 3).

Mensageiro.

O sacerdote que cumpria corretamente com sua obra assinalada era tão certamente
um "mensageiro" de Deus como o era o profeta (ver com. Hag. 1: 13). Alguns o
atribuíram significado ao feito de que "Malaquías" quer dizer "mensageiro
do Yahweh" (ver P. 1143).

8.

Fizeram tropeçar.

Tanto por preceito como por exemplo (ver com. vers. 6) esses sacerdotes haviam
extraviado a muitos, Desse modo tinham "corrompido" o pacto do Leví.

Pacto do Leví.

Ver com. vers. 4.

9.

Vis.

devido à conduta dos sacerdotes, que desonrava e causava oprobio ao
culto divino (ver 1 Sam. 2: 30), era tão somente natural que o povo os
desprezasse. A hipocrisia é um dos pecados mais vis.

10.

Um mesmo pai.

Fala Malaquías mesmo. Em vista do contexto, possivelmente se refira a Deus mesmo
como Pai deles (ver com. cap. 1: 6), e não ao Abraão ou a algum outro ser
humano.

Criou-nos um mesmo Deus.

Entre todos os povos da antigüidade, só os Judeus honravam a Deus como
ao Criador em forma clara e preeminente, o que se destaca na observância
do dia de repouso, o sétimo dia, conforme o prescreve o quarto mandamento do
Decálogo (Exo. 20: 8-11). Por isso, por cima de todos outros, deviam tratar
a seus próximos como a seus irmãos. Temos o direito de esperar hoje em dia que
os que honram a Deus como ao Criador considerem a todos os homens como
irmãos.

11.

Judá.

Toda a nação era culpado de haver-se afastado de Deus.

Santuário.

Quase certamente é uma referência ao templo. Sendo o lugar onde se
manifesta a presença de Deus (Exo. 25: 8), foi "profanado" pela conduta
pecaminosa do povo.

casou-se com filha.

A LXX traduz assim a última cláusula: "E se foi atrás de outros deuses".

12.

Lojas.

Ou "moradas".

Que vela.

Ou "que se levanta".

Que responde.

O "que vela" possivelmente se refira ao vigilante ou sentinela, e o "que responde",
ao povo ou soldados despertados à ação pelo vigilante. Em outras
palavras, embora os transgressores do Judá se dessem conta do perigo
vindouro, sua falta de arrependimento determinaria que ao fim fossem
"cortados".

Oferenda.

Heb. minjah (ver com. cap. 1: 10).

13.

Outra vez farão.

agravava-se o pecado dos sacerdotes pela hipocrisia de sua dor ao ver
que Deus rechaçava suas oferendas.

Não olharei mais à oferenda.

Deus não podia aceitar os sacrifícios que lhe apresentavam, enquanto persistissem
em seu mal proceder. Se o tivesse feito, os teria confirmado em seus maus
caminhos.

14.

por que?

Esta pergunta é uma evidência de que o povo recusava admitir seu
culpabilidade (ver com. cap. 1: 2), devido a seu cepticismo saturado de
justificação própria. Ver P. 1144.

Mulher de sua juventude.

Possivelmente isto indique que muitos desses sacerdotes ímpios tinham abandonado a seus
algemas e tinham tomado outras algemas, talvez mulheres pagãs (cf. Esd. 9:
1-2; Neh. 13: 23-28). Também é possível que aqui se faça alusão ao adultério
espiritual, como no vers. 11.

foste desleal.

A LXX reza "abandonou".

15.

Não fez ele um?

No hebreu a primeira cláusula deste versículo é algo escura. A BJ reza:
"Não tem feito ele um solo ser, que tem carne e fôlego de vida?" É clara a
admoestação da última parte do versículo. A sua isto vez pode dar a chave
para compreender o significado da primeira parte. O profeta pede uma reforma
no proceder 1151desleal dos sacerdotes com as esposas de sua juventude
(ver com. vers. 14).  portanto, pergunta-a "Não fez ele um?" poderia
referir-se ao plano de Deus de que o homem e a mulher fossem "uma só carne"
(ver comGén. 2: 24).  O Senhor condena energicamente aos homens dos
dias do Malaquías quem, ao divorciar-se de suas legítimas algemas, estavam
violando o princípio fundamental da unidade na relação matrimonial.

16.

Aborrece.

Deus expressa sua atitude pessoal para o divórcio.  portanto, que se
divorcie de sua legítima algema, "encobre com seu vestido a violência" (BJ).  É
dizer, cobre-se de iniqüidade e das conseqüências dela, das quais não
pode escapar.  Pela declaração de nosso Senhor é evidente que o
adultério é a única razão válida para o divórcio (ver comMat. 5: 32).

17.

Cansar.

A paciência divina chegou a seu fim.  Deus suportou muito as queixa e
o descontentamento de seu povo.  Não chegou a prosperidade nem a glória que eles
esperavam que logo possuiriam (ver P. 29), e por isso puseram em dúvida a
justiça e a santidade de Deus e ainda a certeza de um julgamento futuro.

No que?.

Ver com. cap. 1: 2.

Qualquer que faz mal agrada ao Jehová.

"Tudo o que faz o mal é bom" (BJ).  Às vezes os ímpios tratam de
aparentar que são em realidade bons, e que devido a sua bondade são prosperados
e bentos Por Deus.

Onde?.

Ver com. cap. 1: 2; ver P. 1 144.

O Deus de justiça.

O povo não negava a existência de Deus, a não ser duvidava de que se preocupasse de
a conduta humana.  Na realidade se tornaram deístas.  Os pagãos
tinham um conceito similar de seus deuses.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

5-6 Ed 143

5, 9 PR 521

10 PR 274

17 CS 613; PR 528; Lhe 206

CAPÍTULO 3

1 Concernente ao mensageiro, a majestade e a graça de Cristo. 7 Rebelião, 8
sacrilégio, 13 e infidelidade do povo. 16 Promessa de bênção para quem
temam a Deus.

1 HEI AQUI, eu envio meu mensageiro, o qual preparará o caminho diante de mim; e
virá súbitamente a seu templo o Senhor a quem vós procuram, e o anjo
do pacto, a quem desejam vós.  Hei aqui vem, há dito Jehová dos
exércitos

2 E quem poderá suportar o tempo de sua vinda? ou quem poderá estar em pé
quando ele se manifeste?  Porque ele é como fogo purificador, e como sabão de
máquinas de lavar roupa

3 E se sentará para afinar e limpar a prata; porque limpará aos filhos de
Leví, afinará-os como a ouro e como a prata, e trarão para o Jehová oferenda em
justiça

4 E será grata ao Jehová a oferenda do Judá e de Jerusalém, como nos dias
passados, e como nos anos antigos

5 E virei a vós para julgamento; e serei logo testemunha contra os feiticeiros
e adúlteros, contra os que juram mentira, e os que defraudam em seu salário ao
jornaleiro, à viúva e ao órfão, e os que fazem injustiça ao estrangeiro,
não tendo temor de mim, diz Jehová dos exércitos

6 Porque eu Jehová não troco; por isso, filhos do Jacob, não fostes
consumidos

7 Dos dias de seus pais lhes apartastes que minhas leis, e não as
guardaram.  lhes volte para mim, e eu me voltarei para vós, há dito Jehová dos
exércitos.  Mas disseram: No que temos que nos voltar?

8 Roubará o homem a Deus?  Pois vós me roubastes.  E disseram: Em
o que lhe roubamos?  Em seus dízimos e oferendas

9 Malditos são com maldição, porque vós, a nação toda, hão-me
roubado

10 Tragam todos os dízimos ao alfolí e haja 1152 alimento em minha casa; E
me provem agora nisto, diz Jehová dos exércitos, se não lhes abrirei as
janelas dos céus, e derramarei sobre vós bênção até que
superabunde

11 Repreenderei também por vós ao devorador, e não lhes destruirá o fruto de
a terra, nem sua videira no campo será estéril, diz Jehová dos
exércitos

12 E todas as nações lhes dirão bem-aventurados; porque serão terra
desejável, diz Jehová dos exércitos

13 Suas palavras contra mim foram violentas, diz Jehová.  E disseram:
O que falamos contra ti?

14 Hão dito: Muito é servir a Deus. O que aproveita que guardemos seu
lei, e que andemos afligidos em presença do Jehová dos exércitos?

15 Dizemos, pois, agora: Bem-aventurados são os soberbos, e os que fazem
impiedade não só são prosperados, mas também tentaram a Deus e escaparam

16 Então os que temiam ao Jehová falaram cada um com seu companheiro; e Jehová
escutou e ouviu, e foi escrito livro de cor diante dele para os que temem
ao Jehová e para os que pensam em seu nome

17 E serão para mim especial tesouro, há dito Jehová dos exércitos, no dia
em que eu atue; e os perdoarei, como o homem que perdoa a seu filho que o
serve

18 Então lhes voltarão, e discernirão a diferença entre o justo e o
mau, entre o que serve a Deus e o que não lhe serve

1.

Meu Mensageiro.

Deus responde a última pergunta do capítulo anterior afirmando
categoricamente que vem para julgar e fazer justiça.  Para a gente dos
dias do Malaquías esta mensagem era uma advertência de que Deus se ocuparia de
seus pecados.  Entretanto, além de sua mensagem de advertência para os judeus
dos dias do Malaquías, esta profecia também tem importância messiânica
(ver com.  Mar. 1: 2; DTG 132-133).  Juan o Batista foi o "mensageiro" que
preparou "o caminho diante" do Senhor , pregando o arrependimento (ISA. 40:
3-5; Mat. 3: 1-3;11: 10-11; Luc . 3: 2-14).

Virá súbitamente a seu povo.

Quer dizer, ao lugar muito santo para a obra do julgamento investigador (CS 478-479).

Anjo do pacto.

Ver com, Hag. 1: 13.  O Senhor, ou "anjo [mensageiro] do pacto", não é outro
a não ser Cristo, a segunda pessoa da Deidade (ver comExo. 3: 2), e débito
distinguir-lhe claramente do "mensageiro" antes mencionado neste versículo.
Esta profecia sobre o "anjo do pacto" não só se aplica ao tempo quando
Cristo veio a seu templo durante seu primeiro advento (ver DTG 132-133), a não ser
também aos sucessos que se relacionam com a terminação da história da
terra e o segundo advento (ver. CS 477; PP 352).

2.

Quem poderá suportar?.

Cf. Joel 2: 11. Os judeus acreditavam que o Mesías vinha para castigar aos
pagãos com julgamento.  Pelo contrário, Malaquías adverte aos judeus que
eles seriam os primeiros em sofrer o julgamento(ver Amós 5: 18).

Fogo purificador.

Assim como o fogo separa o metal da escória, assim Deus separa aos justos
dos ímpios mediante seu julgamento(ver com. vers. 1).

Sabão de lavadores.

Não é um verdadeiro sabão -o qual provavelmente se desconhecia na antigüidade-
a não ser um álcali vegetal que se obtinha ao queimar certas novelo, e o usava
para lavar.  "Lejía de lavadeiro" (BJ).

3.

Sentará-se.

repete-se o pensamento prévio (vers. 2) para lhe dar ênfase.

Os filhos do Leví.

menciona-se especialmente aos sacerdotes como os mais responsáveis por
conduzir ao povo em justiça mediante seu exemplo e ensino (Mau. 2: 1-9;
ver com. 2 Crón. 15: 3).

Afinará.

O castigo dos "filhos do Leví" não só tinha o propósito de limpar sua alma
liberando-a do mal, mas também de promover a santidade fazendo-os idôneos
para que oferecessem "ao Jehová oferenda em justiça" (ver ROM. 12: 1; 2 Ped 3:
18; DTG 133).

Oferenda.

Heb. minjah (ver com. cap. 1: 10).

4.

Grata.

Se os sacerdotes e o povo eliminavam o pecado, recuperariam o favor
divino (PR 521).

Dias passados.

Os judeus pensavam que tempos tais como os do Abraão, Moisés e David
tinham sido tempos mais ou menos ideais.

5.

Para julgamento.

Em outras palavras: "Hei aqui o julgamento".  Esta era a resposta divina à
pergunta: "Onde está o Deus de justiça?"(cap. 2: 17).

Feiticeiros.

O desagrado divino se dirigia especialmente contra os que praticavam as
artes 1153 mágicas pagãs (Exo. 22: 18; Deut. 18: 10), por exemplo as artes
que prevaleciam em Babilônia (ver com.  Dão. 2: 2).

Adúlteros.

Outro grupo sobre o qual recaía especialmente a condenação de Deus eram os
culpados de imoralidade, inclusive os que se divorciavam ilegalmente (ver com.
cap. 2: 14-16). Em que forma impressionante se aplicaria esta mesma condenação
a milhares de pessoas na atualidade!

Juram mentira.

A LXX diz: "Os que juram falsamente por meu nome" (cfLev. 19: 12).

Defraudam... ao jornaleiro.

Deus precatória aos que aparentam ser seus seguidores a que sejam justos, e até
generosos, com os que dependem de seu salário para seu sustento cotidiano (Deut.
24: 14-15; Sant. 5: 4).

Viúva... órfão... estrangeiro.

O Senhor dispôs medidas especiais para proteger os direitos dos que, em
qualquer grau, são indefesos, impotentes ou necessitados (Exo. 22: 21-22; Deut.
24: 17; 27: 19).  Proibia aos judeus que se aproveitassem dos que
eram "estrangeiros" entre eles.

6.

Não troco.

O Senhor rechaça de plano a acusação de que passa por cima o mal (cap. 2:
17).  A santidade de Deus é eternamente constante e inalterável (Núm. 23: 19;
Sant. 1: 17).  Precisamente porque Deus não troca, permanecerão seus propósitos
eternos para seu povo.  Possivelmente ele castigue, discipline ou corrija aos seus,
mas faz todo isso com o propósito de que se arrependam e sejam salvos.

7.

Apartaste-lhes.

Deus sempre tinha sido fiel a suas promessas (ver com. vers. 6).  Contudo, o
povo não tinha sido leal com Deus, especialmente nos dízimos e as oferendas
(vers. 8-9).

lhes volte para mim.

A medula da mensagem do profeta (ver com. cap. 1: 1) não é pronunciar julgamento
sobre os pecadores, a não ser uma exortação ao arrependimento e à fidelidade a
Deus, acompanhada com um solene recordativo da história passada do Israel.
"Voltar" para Deus é arrepender do pecado e efetuar uma reforma completa de
a vida.  Este é o tema do livro do Joel (Joel 2: 12-13).

No que?

Outra vez (ver com. cap. 1: 2) o povo revela sua hipócrita justificação
própria ao formular perguntas a Deus.  Ver P. 1144.

8.

Roubará o homem a Deus?

Que linguagem vigorosa!  Sem andar com rodeios, Malaquías professora
especificamente em que forma o povo roubou" a Deus: retendo "dízimos
e oferendas" que pertencem ao Senhor (cfLev. 27: 30, 32; Núm. 18: 21; Neh.
10: 37-39).

Oferendas.

Alguns não alcançam a compreender que é possível "roubar" a Deus nas
"oferenda" tanto como nos dízimos.  que entende suas obrigações como
mordomo do que Deus lhe confia, dará generosas oferendas a Deus de acordo
com suas possibilidades, "conforme tenha prosperado" (1 Cor. 16: 2).

9.

Malditos são.

O contexto imediato (ver. 11) permite inferir que a "maldição" foi escassez
nas colheitas e devastação dos campos (cfHag. 1: 6; Mau. 2: 2).
Automaticamente a "maldição" seguiu à desobediência, assim como a bênção
seguiu à obediência (ver pp. 29-30).  Não há um terreno neutro: a conduta
de um homem é correta ou incorreta, e Deus é eqüitativo em sua retribuição.

A nação toda.

A vigorosa condenação do profeta se refere ao Judá como "a nação toda" e
não como ao povo de Deus.  É evidente que todos roubavam a Deus.

10.

Todos os dízimos.

Ou "o dízimo íntegro" (BJ).  Isto implica que se o povo pagava dízimo, não
entregava um dízimo completo ou justo.  nos asseguremos de não cair na mesma
falta que cometia a gente dos dias do Malaquías (cf. 1 Cor. 10: 6-10).  O
Doador de tudo tem direito a esperar que lhe demos honestamente o dízimo e
também as oferendas voluntárias que possamos.

Janelas dos céus.

CfGén. 7: 11; 8: 2.  Não só haverá chuva em abundância que tirará tudo
temor de seca, mas sim através dessa abertura, por assim dizê-lo, se
derramará generosamente a bênção divina (ver Lev. 26: 3-5).

Bênção.

Não necessariamente uma bênção material, embora isso parece ressaltar aqui (ver
com. vers. 11).  Quanto às bênções materiais que Deus se propunha
prodigalizar sobre seu povo, ver pp. 29- 30.

11.

Ao devorador.

Provavelmente se refere às lagostas que destruíam tanto as colheitas (ver
com. Joel 1: 4).  Deus promete prosperidade material aos que são fiéis em
pagar o dízimo.

12.

Eles dirão bem-aventurados.

Deus desejava que seu povo fora tão exemplo vivente 1154 dos resultados de
a obediência (ver pp. 28-31).

13.

Suas palavras contra mim foram violentas.

Ou, "duras me resultam suas palavras" (BJ).  Cf. Jud. 15.  A LXX diz:
"Sobre mim fizeram pesar suas palavras".  O profeta contrasta aqui
as ímpias falações do povo (Mau. 3: 13-15) com a recompensa que
receberão os que são fiéis a Deus (vers. 16-18; ver P. 1144).

E disseram.

"E ainda dizem" (BJ).  Ver com. cap. 1: 2.

14.

Muito.

Isto é, nada ganharemos.  Sem dúvida o profeta os condena porque o pouco que
faziam para Deus emanava de motivos egoístas.

15.

Bem-aventurados som os soberbos.

Os murmuradores não estimam que os humildes e mansos som "bem-aventurados", ou
benditos pelo Senhor, a não ser acreditam que os "soberbos" e arrogantes desfrutam de
boa fortuna e bem-estar no mundo (cf.  ISA. 13: 11).

Tentaram a Deus.

Quer dizer, os que puseram a Deus a prova e o provocaram com sua impiedade.  A
LXX diz: "Resistiram a Deus".

16.

Temiam ao Jehová.

Malaquías traz uma mensagem de esperança e consolo para os que ainda são
fiéis a Deus.  Há um grande contraste entre os iníquos queixosos já mencionados
(vers. 13-15) e os que são realmente justos.

Livro de cor.

O profeta respira aos que se esforçavam por fazer o correto, com o
pensamento de que Deus recorda o serviço consagrado dos seus (ver com.
Dão. 7: 10).

17.

Serão para mim.

No dia quando os pecadores do Israel compareçam ante o tribunal da
justiça divina, Deus promete reconhecer seu "especial tesouro" e preservar o de
a sorte dos ímpios.

Especial tesouro.

Heb. segullah, "propriedade pessoal" (BJ), ou "posse privada" (ver comExo.
19: 5; Deut. 7: 6; Sal. 135: 4; cf. 1 Ped. 2: 9).

Perdoarei-os.

Há duas razões para que Deus seja misericordioso com seus filhos fiéis: são seus
filhos (Juan 1: 12; ROM. 8: 14; Gál. 3: 26) e lhe servem como filhos obedientes
(Sal. 103: 13; Apoc. 14: 12).

18.

Discernirão a diferença.

O profeta antecipa um tempo quando todo se esclarecerá, um tempo quando as
perguntas suscitadas pela gente de seus dias (caps. 2: 17; 3: 14) serão final
e satisfatoriamente respondidas.  Tanto na história do Israel como na
vida individual dos israelitas, muitos sucessos tinham dado testemunho de que
Deus trata em forma diferente aos justos e aos ímpios.  Entretanto, no
dia do Senhor se darão provas convincentes do julgamento e de injustiça de Deus
(Sal. 58: 11).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-18 3JT 35; OE 239; TM 310; 5TS 168

1 CS 477; PR 516

1-3 DTG 133

1-4 PR 528

2 PP 352; 2T 459

2-3 CS 679; 1JT 475; MeM 94

2-4 CS 478

3 CRA 57; 1JT 115; 2JT 187, 189; NB 68;PP 122; 1T 355; 2T 269, 317; 3T 417;4T
221; TM 453

3-4 1JT 426

5 CMC 134, 149; CS 478; 3JT 39; MM 92;PR 482; PVGM 351; 2T 157, 159; 4T 490

6-7 TM 311

7 CMC 94; 1JT 43; 3JT 38; PP 161; PR 521; 4T 208; Lhe 116

7-8 PVGM 130

7-12 PR 522; 6T 446

8 CMC 79, 90, 100, 263; COES 156;  ECFP 40; Ed 138; HAp 271; 1JT 338, 511,550,
556, 558; 2JT 331; PP 531; 2T 653;4T 474; 5T 643; 4TS 70

8-9 CMC 53, 97; HAp 273; 1JT 175;PVGM 352; 1T 221; 2T 59

8-10 CMC 71, 82, 87, 95; 1JT 374; 3T 510;TM 310, 312

8-11 1T 222

8-12 3JT 39; 3T 409

9 CMC 90; 3JT 38; MJ 304; OE 240

9-10 5T 275

10 CH 374; CMC 43, 80, 88, 94, 211, 313;Ed 134; HAp 272; 2JT 41; MJ 305; PP
569; 2T 576, 601; 5T 643; 9T 251; TM 57

10-12 Ed 136; PVGM 130; 5T 153

11 CMC 94; PP 566; 5TS 166

11-12 1JT 374; TM 313

13-14 5T 287

13-15 3JT 40 1155

13-18 TM 280

14 2JT 504; SC 245; SR 60

16 DC 102; CMC 92; CS 535; MJ 345; P 114; PVGM 385

16-17 CM 258; 2JT 242; MeM 213; SC 265; 4T 330; TM 79

16-18 3JT 41

17 CS 692; HAp 478; 2JT 24, 125; P 70; PVGM 104, 265; SC 234, 330; 5T 408; TM
237; 5TS 171

18 CMC 134; COUVE 58; CS 697; Ev 430-431, 449; 3JT 131, 251, 284, 358; MC 135; PP
355; SC 49, 326; 2T 125; 5T 227; TM 270, 274

CAPÍTULO 4

1 Julgamento de Deus contra os malvados, 2 e sua bênção sobre os bons. 4
Exortação ao estudo da lei, 5 e apresentação do Elías: sua vinda e seu
obra.

1 PORQUE hei aqui, vem o dia ardente como um forno, e todos os soberbos e
todos os que fazem maldade serão estopa; aquele dia que virá os abrasará, há
dito Jehová dos exércitos, e não lhes deixará nem raiz nem ramo.

2 Mas os que temem meu nome, nascerá o Sol de justiça, e em seus
asas trará salvação; e sairão, e saltarão como bezerros da manada.

3 Pisarão aos maus, os quais serão cinza sob as novelo de seus
pés, no dia em que eu atue, há dito Jehová dos exércitos.

4 Lhes lembre da lei do Moisés meu servo, ao qual encarreguei no Horeb regulamentos
e leis para todo o Israel.

5 Hei aqui, eu vos envio o profeta Elías, antes que venha o dia do Jehová,
grande e terrível.

6 O fará voltar o coração dos pais para os filhos, e o coração dos
filhos para os pais, não seja que eu venha e fira a terra com maldição.

1.

Vem o dia.

O profeta responde com solene certeza aos que perguntam: "Onde está
o Deus de justiça?" (cap. 2: 17), declarando que há um dia futuro no que
Deus executará julgamento e justiça sobre todos os ímpios.  Esse é o "dia de
Jehová" do Joel 1: 15; 2: 1; Amós 5: 18, 20; Sof. 2: 1-3; etc.  Ver com.  ISA.
13: 6; 2 Ped. 3: 10-12.

Ardente.

O castigo final de Deus para os ímpios é destruição total mediante o fogo
(Apoc. 20: 9; ver comEze. 28: 16-19).

Soberbos.

O pecado da soberba é especialmente ofensivo para Deus, e é o único que
especifica-se aqui no Malaquías.

Estopa.

Não se poderia usar uma linguagem mais vigorosa para indicar a destruição completa
dos ímpios.  Não perdurarão em um sofrimento eterno como se cria
erroneamente com freqüência, mas sim serão prontamente consumidos como
"estopa" (cf.  Sal. 37: 10, 20; ISA. 5: 24).

Abrasará.

"Consumirá" (BJ).  As Escrituras não apóiam o engano popular de um inferno que
arde eternamente.  Os ímpios não continuarão ardendo permanentemente; os
fogos do último dia literalmente os "consumirão".  Ver com. Jer. 17: 27;
Mat. 3: 12; 25: 41; 2 Ped. 3: 7-13; Jud. 7.

Nem raiz nem ramo.

Uma vívida figura que indica o total aniquilamento do pecado e dos
pecadores (ver comNah. 1: 9).  Satanás, simbolizado como a "raiz" ou
originador do mal, e seus seguidores, simbolizados como os ramos, todos serão
destruídos completamente (Sal. 37: 38).

2.

O Sol de justiça.

Uma figura expressiva de Cristo como "a luz do mundo" (Juan 8: 12; cf. Juan 1:
4) e a Fonte de nossa justiça (Jer. 23: 6; 1 Cor. 1: 30; 2 Cor. 5: 21;
Fil. 3: 9).  Cristo sempre está disposto a trazer luz espiritual a seu povo
em tempo de necessidade.  Nesse sentido se poderia dizer que o "Sol de
justiça" saiu em ocasião da primeira vinda de Cristo (ver DTG 226) e
"nascerá" 1156 de um modo especial no tempo da escuridão moral que
precederá a seu segundo advento (ver PR 528-530).

Saltarão.

Heb. push, "saltar", "saltar"; "sairão saltando" (BJ).  Descreve-se aos
redimidos como saltando de gozo ante o resultado final de injustiça e do
amor de Deus (ver CS 731-732).

Bezerros da manada.

Heb.  'egle marbeq, "bezerros gordos" ou "desatados".  "Bezerros bem cevados"
(BJ).  A LXX reza "Bezerros soltos de ataduras".

3.

Pisarão.

descreve-se a vitória final dos justos sobre os ímpios.  Ver com.  ISA.
66: 24.

No dia.

Ver com. vers. 1.

Jehová dos exércitos.

Ver com. Jer. 7: 3.

4.

lhes lembre.

Malaquías termina sua profecia admoestando a seu povo a que seja obediente a
Deus.  A obediência humana é a resposta imprescindível à bênção
divina. É significativo que o profeta que termina o canon do AT devia fazer
ressaltar a necessidade e a importância de observar as instruções de Deus
para seu povo dadas no monte "Horeb" (cf. Lev. 26; Deut. 28).  Também é
significativo que a "lei do Moisés" teria que jogar um papel tão importante em
ajudar ao povo a preparar-se para o dia do Senhor.

Moisés meu servo.

Sem dúvida o menciona em particular porque foi o "mediador" (Gál. 3: 19;
Deut. 5: 5) através do qual se deram no Sinaí as instruções de Deus,
seus "regulamentos e leis" (Exo. 24: 12-18; Neh. 10: 29).

5.

O profeta Elías.

Esta profecia induziu a muitos judeus de tempos posteriores a esperar o
volta do Elías em pessoa à terra (cf.  Juan 1: 21).  Entretanto, esta
é uma profecia de alguém que devia vir "com o espírito e o poder de
Elías" (Luc. 1: 17).  Quer dizer, que pregaria uma mensagem similar ao do Elías.
Antes do primeiro advento de Cristo esta obra foi feita pelo Juan o
Batista (Mat. 17: 12-13; Luc. 1: 16-17; ver comMau. 3: 1).  Antes do
segundo advento de Cristo, os que pregam as mensagens dos três
anjos ao mundo farão uma obra similar.  Ver com. 1 Rei. 18: 19-44; Mat. 3:
3-4; 11: 14.

Dia do Jehová.

Ver com. ISA. 13: 6.

6.

Voltar o coração.

A mensagem aqui pregada seria uma mensagem que conduziria ao verdadeiro
arrependimento, e muitos se converteriam "ao Senhor Deus deles" (Luc. 1:
16).  Ver comMau. 3: 7.

Filhos.

Referência aos filhos literais do Israel, muitos dos quais voltariam para a
verdadeira fé de seus pais, os patriarcas.  Ver comLuc. 1: 16-17.

Maldição.

Heb. jéren, "uma coisa dedicada à destruição" (ver com. Jos. 7: 12; 1 Sam.
15: 21).  O AT termina com esta solene admoestação.  Os que não se
arrependem de verdade devem ser incluídos com os ímpios para sofrer a sorte
deles (Mau. 4: 1).  Entretanto, Malaquías apresenta uma mensagem de esperança,
pois o mesmo Deus que destrói aos culpados traz eterna "salvação" (vers.
2) para os arrependidos.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1 CS 558, 731; DTG 712; MJ 126; P 51, 151, 295; PP 354; SR 428-429; 4T 633

2 CM 358; CS 79, 703; DTG 13, 31, 226; Ed 102; 1JT 341, 515; 3JT 113; MC 21,
78, 166, 194; MeM 15, 165; MM 126; PR 277, 507, 529; PVGM 50, 398; 4T 342; 6T
54; TM 453

5 CV 273; PR 139, 528; TM 484

5-6 Lhe 81

6 MeM 204 1157

Assine Agora.

Receba Estudos Biblicos diariamente no seu E-mail.