Primeira Epístola Universal de João – comentada – capitulo 1

Primeira Epístola Universal de João – comentada – capitulo 1

1. Título.

Nos manuscritos gregos mais antigos o título desta epístola é
simplesmente IÇánnou A, literalmente: "Do Juan, I"; quer dizer, a primeira
(epístola) do Juan.  Não se sabe se esta foi a primeira epístola pastoral que
Juan escreveu, mas sim é primeira das que foram conservadas pela
igreja cristã.

2. Autor.

Juan não se identifica em nenhuma das epístolas do NT que lhe atribuem;
entretanto há uma similitude tão grande entre a primeira epístola e o
Evangelho do Juan, que a maioria dos eruditos aceitam que o autor de ambos
é o mesmo.  Se aceitarmos que o quarto Evangelho foi escrito pelo discípulo
amado (Juan 21:20-24), identificado como o apóstolo Juan, um dos filhos de
Zebedeo (ver T. V, pp. 869-870), temos razões válidas para afirmar que
também é o autor da primeira epístola que leva o nome do Juan.  Uma
relação similar une a primeira epístola com a segunda, e a segunda com a
terceira.

Algumas das similitudes notáveis entre esta epístola e o Evangelho, são as
seguintes:

A Epístola

"Para que seu gozo seja completo" (1: 4).

Advogado [paracleto] temos" (2: 1).

"Sabemos que nós lhe conhecemos, se guardarmos seus mandamentos" (2: 3).

"Escrevo-lhes um mandamento novo" (2: 8).

"A luz verdadeira já ilumina" (2: 8).

"Não sabe aonde vai" (2: 11).

"Permanece para sempre" (2: 17).

"Todo aquele que nega ao Filho, tampouco tem ao Pai" (2: 23).

"A unção mesma vos insígnia todas as coisas"(2: 27)

"Que nos amemos uns aos outros" (3: 11).

"passamos que morte a vida" (3: 14).

"Fazemos as coisas que são agradáveis diante dele" (3: 22).

"O espírito de verdade" (4: 6).

"Deus enviou a seu Filho unigénito" (4: 9).

"Esta vida está em seu Filho" (5: 11).

O Evangelho

"Para que seu gozo seja completo" (16: 24).

"Dará-lhes outro Consolador [paracleto]" (14: 16).

"Se me amarem, guardem meus mandamentos" (14: 15).

"Um mandamento novo lhes dou" (13: 34).

"Aquela luz verdadeira, que ilumina" (1: 9).

"Não sabe aonde vai" (12: 35).

"Fica para sempre" (8: 35).

"que me aborrece , também a meu Pai aborrece" (15: 23).

"O lhes ensinará todas as coisas" (14: 26). 642

"Que nos amemos uns aos outros" (3: 11)

"passamos que morte a vida" (3: 14).

"Fazemos as coisas que são agradáveis diante de Deus" (3: 22)

"O Espírito de verdade" (4: 6).

"Deus enviou a seu Filho unigénito" (4: 9)

"Esta vida está em seu Filho" (5: 11)

"Que lhes amem uns aos outros" (15: 12).

"Há pasodo de morte a vida" (5: 24)

"Eu faço sempre o que lhe agrada" (8: 29)

"O espírito de verdade" (14:17)

"deu a seu Filho unigénito" (3:16)

"Nele estava a vida" (1: 4).

Os paralelismos da linguagem e a sintaxe do texto grego com freqüência são
mais impressionantes que em nosso idioma; mas a lista que se apresentou dá
um bom exemplo de sortes similitudes.

além dos paralelismos há muitas outras similitudes que facilmente se
percebem entre a epístola e o Evangelho.  Ambos começam em forma súbita,
sem nenhuma introdução própria da forma epistolar.  A epístola começa com
"O que era desde o começo... [o] Verbo de vida"; o Evangelho, com "No
princípio era o Verbo".  Há um grande parecido em estilo, vocabulário,
sintaxe, uso de preposições, construção gramatical e diversas antítese
como trevas e luz, morte e vida, ódio e amor, que são tipicamente
características do Juan.  A diferença em propósito e dimensão dos dois
livros admite uma grande divergência, mas o tema de ambos é tão similar, que
a epístola poderia servir como um resumo dos temas sobressalentes do
Evangelho.

Não se devem passar por cima as diferenças que existem entre os dois escritos,
mas podem explicar-se tendo em conta diversos fatores: diferentes
propósitos, datas de redação, o envelhecimento do autor e as diferenças
naturais que existem nas obras conhecidas que foram fruto da mesma
pluma.  A epístola parece ter sido escrita espontaneamente como uma carta
pastoral, enquanto que o Evangelho se vê claramente que é o produto de uma
larga e profunda meditação a respeito da encarnação do Verbo de Deus.  Em
outras palavras: vê-se que o propósito da epístola é limitado, enquanto isso
que o do Evangelho é amplo, lhe abranjam; mas um fio comum corre através de
ambos os livros, o que pode advertir até um leitor inexperiente.

Apesar de tudo, a opinião dos eruditos ainda se acha dividida quanto a
a paternidade literária de 1 Juan.  Algo da insistência em não aceitar ao
apóstolo Juan como autor da epístola possivelmente se deva a um subconsciente hábito
de duvidar.  O cristão sensato pode dizer com justiça que tem uma base
adequada para afirmar que o autor desta epístola é Juan o discípulo amado.

Quanto a este tema pode ver-se o trabalho do A. P. Salmon, "Me seja Aspects of
the Grammatical Style of 1 John", journal of Biblical Literature, LXXIV, parte
11, junho, 1955.

3. Marco histórico.

Na epístola não há nenhuma referência específica ao autor, às pessoas a
as quais foi dirigida a carta, ao lugar do qual foi escrita, ou ao
tempo quando se escreveu, portanto, as conclusões relativas a seu marco
histórico têm que deduzir-se da evidência interna.  Essa evidencia débito
unir-se estreitamente com as conclusões aceitas sobre o autor e a data
do quarto Evangelho.  Este Comentário aceita que Juan é o autor do
Evangelho e também desta epístola, e por tal razão a pergunta mais
importante é a seguinte: Qual dos dois se escreveu primeiro, o Evangelho
ou a epístola?  Não é possível dar uma resposta definitiva, e a opinião dos
eruditos se inclinou em uma ou outra direção; mas é 643 difícil negar que
a epístola pressupõe o conhecimento que já tinham os cristãos do
Evangelho do Juan, e que se apóia nele.  Se lhe dá seu devido valor a este
argumento, então parece que a epístola foi escrita depois que o Evangelho
e até poderia pensar-se que foi um apêndice dele.  Além disso, é fácil reconhecer
que antes de registrar por escrito suas lembranças e profundas meditações, o
apóstolo teve que ter pensado muito quanto ao conteúdo de seu Evangelho e
havê-lo ensinado a sua grei.  Por isso é possível que a epístola seja anterior ao
Evangelho.  Por estas e outras considerações mais técnicas não é possível que
pela evidência interna se chegue A. uma conclusão firme quanto às
datas da escritura de ambos os livros.

Mas o que sim é claro é que a epístola foi escrita por um ancião ao que o
parecia apropriado dirigir-se a seus conversos como a "filhinhos",(cap. 2:1, 12, 18,
28; 3:7, 18; 4:4; 5:21).  Não se diz aos quais se dirigiu a carta, mas é
óbvio que foi enviada a um grupo conhecido de cristãos com os quais tinha
trato pessoal o reverenciado autor.  Ainda não se apresentou nenhuma
razão concludente para rechaçar a tradição, ampliamente aceita, de que Juan
escreveu-a em seu ancianidad para os crentes do Efeso, ou da Ásia Menor,
onde ele tinha exercido seu ministério.  A data quando se escreveu poderia
localizar-se-se entre o ano 90 e o 95 d. C. (ver T. V, P. 870; T. VI, pp. 37-38).

Há evidências de que a epístola existia a começos do século II.  Policarpo,
que tem fama de ter conhecido pessoalmente a vários dos apóstolos,
emprega palavras que. parecem-se parto a 1 Juan 4:3 (Epístola de, Policarpo a
os filipenses VII , C. 115 d. C.); e Eusebio afirma: "Entre os escritos de
Juan, além disso do Evangelho, é admitida sem controvérsia alguma seu primeira
epístola, tanto pelos mais recentes quanto por todos os antigos" (História
eclesiástica III. 24 [Buenos Aires: Editorial Nova], P. 131).  Ireneo (C. 200
d. C.) identifica vários versículos que entrevista como procedentes da primeira e
a segunda epístolas do Juan (Ireneo, Contra heresias III. 16. 5, 8); e o
Fragmento Muratoriano (C. 170 d. C.; ver T. V, P. 128) não só inclui em seu
canon a primeira epístola e a segunda, mas sim as atribui ao apóstolo Juan.
portanto, é evidente que a primeira epístola foi reconhecida como legítima
desde muito antigo e seu lugar no canon está firmemente afiançado.

4. Tema.

O propósito principal da epístola é pastoral.  Juan escreve com amor a seus
filhos espirituais para que possam estar melhor preparados para viver a vida
cristão.  O amor é a nota dominante da carta.  O marco é uma
exortação singela embora profundamente espiritual.  Deus é amor (cap. 4:
S); o amor vem de Deus (vers. 7); Deus nos amou e enviou a seu Filho; pelo
tanto, devêssemos nos amar mutuamente (vers. 10- 11).  Mas esses elevados temas
projetam-se dentro de um marco de oposição, o que dá à epístola um
propósito tão polêmico como pastoral.

É claro que algumas heresias tinham perturbado à igreja, e que alguns
falsos professores dentro dela tinham tratado de perverter a fé (cap.
2:18-19).  Embora tinham deixado a igreja, sua influência perdurava e
continuamente ameaçava prejudicando-a. Juan escreve para rebater esse
perigo, para afiançar aos membros nas doutrinas cristãs essenciais e
para fazer que a verdade seja tão atraente que os seguidores de Cristo não sejam
seduzidos pelo engano.

A heresia básica contra a qual luta Juan foi identificada como uma
espécie de  protognosticismo, que ensinava um conhecimento (gnÇsis) falso (ver
T. V, pp. 870-871; T. VI, pp. 56-60).  Pela ênfase que lhe dá na
epístola, parece que a oposição provinha de dois principais forma de
gnosticismo: o docetismo e o ensino do Cerinto.  A heresia de ambos se
referia à natureza de Cristo.  O docetismo negava a realidade da
encarnação e ensinava que Cristo tinha um corpo humano só na aparência
(ver T. V, pp. 889-891; T. VI, P. 59).  A segunda heresia se 644 originou em
Cerinto, um dos contemporâneos do Juan, quem se educou no Egito e logo
ensinou no Ásia Menor e propagou ensinos judaizantes.  Cerinto ensinava que
Jesus tinha nascido em forma natural do José e María, e Cristo entrou no
corpo do Jesus em ocasião de seu batismo, mas que se retirou ou saiu antes de
a crucificação (ver T. VI, pp. 37, 58).  Os originadores e paladines dessas
heresias são graficamente descritos pelo Juan como "anticristos" (cap. 2:18, 22;
4:3) e "falsos profetas" (cap. 4: 1). Para combater esses enganos, Juan destaca
a realidade da natureza humana e visível de Cristo durante a encarnação
(cap. 1: 1-3), que El Salvador veio na carne (cap. 4:2) e que os crentes
podem desfrutar desse verdadeiro conhecimento (cap. 5:20) como oposto à
falsa gnosis.

Estas controvérsias antigas têm um grande significado em nosso tempo, pois
segue-se questionando a divindade de Cristo.  Um estudo desta epístola
represará a mente do leitor à verdade da encarnação e permitirá que
capte uma elevada visão do Filho de Deus, quem foi enviado para ser a
propiciación pelos pecados de todo o mundo.

5.

Bosquejo.

I. Introdução, 1:1-4.

        A. Declaração de ter tido trato pessoal com Cristo, o Verbo de



             vida, 1: 1-3 P. P.

        B. Propósito ao escrever a epístola, 1:3 Ú. P.-4.

                1. Fomentar a comunhão com os cristãos, com Deus e Cristo,
1:3 Ú. P.

                2. Produzir plenitude de gozo, 1:4.

II. Os requisitos para ter comunhão com Deus e o homem, 1:5-10.

        A. Caminhar na luz, 1:5-7.

        B. Confissão dos pecados, 1:8-10.

III. Exortação a uma vida sem pecado, 2:1-28.

        A. Cristo o advogado e propiciación pelo pecado, 2:1-2.

        B. Andar como ele andou, 2:3-6.

        C. O mandamento novo, 2:7-11.

        D. Exortações pessoais aos filhos espirituais, 2:12-28.

                1. Raciocine para escrever, 2:12-14.

                2. Não amar ao mundo, 2:15-17.

                3. Cuidar-se dos anticristos e suas heresias, 2:18-26.

                4. Permanecer em Cristo a fim de preparar-se para sua vinda,
2:27-28.

IV. Os filhos de Deus em contraste com os filhos do diabo, 2:29 às 3:24.

        A. A justiça dos filhos de Deus, 2:29 às 3:7.

        B. O que pratica o pecado é do diabo, 3:8-9.

        C. O que não ama a seu irmão é do diabo, 3:10-18.

        D. Deus assegura a salvação a seus filhos, 3:19-24.

V. Verdade, amor e fé são essenciais para a comunhão com Deus, 4:1 às 5:12.

        A. O espírito de verdade e o espírito de engano, 4:1-6.

        B. O amor é de Deus, pois Deus é amor, 4:7-21.

        C.La fé produz vitória e vida, 5:1-12.

VI. Conclusão, 5:13-21.

        A. Repetição do propósito, 5:13.

        B. Admoestação a uma vida livre de pecado, 5:14-17.

        C. Exortação final a conhecer deus e a seu Filho, 5:18-21. 645

CAPÍTULO 1

1 Descrição da pessoa de Cristo, em quem temos vida eterna mediante a
comunhão com o Pai; 5 ao qual devemos acrescentar santidade de vida para
atestar a verdade de nossa comunhão e profissão de fé, e Ter também a
segurança de que nossos Pecados são perdoados pela morte de Cristo.

1 O QUE era desde o começo, o que ouvimos, o que vimos com
nossos olhos, o que contemplamos, e apalparam nossas mãos referente ao
Verbo de vida

2 (porque a vida foi manifestada, e a vimos, e atestamos, e vos
anunciamos a vida eterna, a qual era com o Pai, e nos manifestou);

3 o que vimos e ouvido, isso lhes anunciamos, para que também vós
tenham comunhão conosco; e nossa comunhão verdadeiramente é com o
Pai, e com seu Filho Jesucristo.

4 Estas coisas lhes escrevemos, para que seu gozo seja completo.

5 Esta é a mensagem que ouvimos que ele, e lhes anunciamos: Deus é luz, e não
há nenhuma trevas nele.

6 Se dissermos que temos comunhão com ele, e andamos em trevas, mentimos, e
não praticamos a verdade;

7 mas se andarmos em luz, como ele está em luz, temos comunhão uns com outros,
e o sangue do Jesucristo seu Filho nos limpa de tudo pecado.

8 Se dissermos que não temos pecado, enganamos a nós mesmos, e a
verdade não está em nós.

9 Se confessarmos nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar nossos
pecados, e nos limpar de toda maldade.

10 Se dissermos que não pecamos, fazemos a ele mentiroso, e sua palavra não
está em nós.

1.

O que era. 

Estas palavras iniciais da epístola podem receber duas interpretações
devido a que o pronome ho, que se traduz "o que", é neutro, e poderia
referir-se a: (1) ao testemunho referente à revelação do Verbo de vida, ou
(2) ao Verbo de vida (Cristo).  O estilo do Juan faz mais provável a segunda
interpretação (cf. Juan 4:22; 6:37, onde os pronomes neutros se referem a
pessoas).  Quanto à flexão verbal "era" (em), ver com.  Juan 1:1.

Desde o começo. 

Juan começa seu Evangelho com as palavras "No princípio", e seu primeira
epístola com a expressão "desde o começo".  A diferença é
significativa.  No Evangelho se destaca que o Verbo já existia no tempo
do  " princípio"; aqui se conforma afirmando que o Verbo esteve
existindo do tempo do "princípio".  O Evangelho enfoca o princípio e
antes dele; a epístola enfoca o princípio e depois dele.  Também é
possível uma interpretação mais limitada refiriendo estas palavras ao princípio
da era cristã (cf. com. cap. 2:7), mas uma comparação com o Juan 1:1-3
concede aqui pouco apóio a esta limitação. Quanto a "princípio", ver com.
Juan 1:1.

O que ouvimos.

Juan defende do começo o que está a ponto de escrever a respeito Daquele
a quem ele e seus companheiros haviam realmente ouvido, e rebate as afirmações de
os que negavam a realidade da encarnação.  Assim estabelece as bases de seu
autoridade e de sua exortação a seus leitores. Ninguém poderia negar que albergava
preciosas lembranças quando pensava na voz amada que tinha escutado com
tanto interesse fazia muito na Palestina!  O plural "havemos" nestes versículos
iniciais poderia interpretar-se como uma característica de estilo ou como uma
referência ao autor e a seus companheiros (cf. com. cap. 4:6).  O uso do
pretérito perfeito "ouvimos", sugere que as lembranças ainda perduravam em
ele.

O que vimos. 

Aqui também se aplica o comentário de "o que ouvimos".  A flexão verbal
que se traduz "vimos" (do verbo horáÇ), significa o ato de ver
fisicamente.  E para que não haja dúvida alguma quanto à realidade de seus
experiências, o escritor acrescenta o pleonasmo "com nossos olhos".  Não deixa,
pois, lugar para que se duvide de que realmente viu o "Verbo".

contemplamos.

Gr. theáomai, "ver atentamente", "contemplar".  Esta mesma flexão 646 verbal
traduziu-se como "vimos" no Juan 1: 14 ao tratar o mesmo tema: a
contemplação do Verbo encarnado.  O natural é interpretar estas palavras e
as que seguem como uma afirmação de que o apóstolo tinha contemplado as
cenas históricas da vida terrestre de Cristo.

Apalparam.

Gr. pS'lafáÇ, "ir a provas", "medir", "apalpar", de psáll (ou psa), "tocar"
(ver com.  Hech. 17: 27).  O mesmo verbo se usa no Luc. 24: 39 (ver o
comentário respectivo), quando Jesus convidou a Tomam a que o tocasse.  Juan
poderia estar refiriéndose em particular a esse momento e possivelmente a outros feitos
similares.  Seria difícil conceber uma forma mais clara para afirmar que o
autor e seus companheiros tinham tido uma relação pessoal com o Verbo feito
carne, refutando assim as diversas heresias que diziam que não foi real a
existência de Cristo na terra (ver pp. 643-644).

Referente ao Verbo.

O apóstolo não pretende tratar todos os aspectos concernentes ao Verbo, mas
em sua epístola declara (vers. 3) verdades apoiadas em sua experiência pessoal
(vers. 1-3) com o Verbo.  Quanto ao "Verbo" (ho lógos), ver com.  Juan 1:
1. O uso de "Verbo" (lógos) para referir-se ao Jesucristo, é peculiar do
quarto Evangelho (Juan 1: 1, 14), desta epístola (cap. 1: 1; 5: 7) e do
Apocalipse (Apoc. 19: 13), e é uma prova em favor de um autor comum dos
três livros.

De vida.

Literalm ente "da vida".  A presença do artigo indica que se fala de
uma vida específica, não uma vida qualquer.  Se se analisarem os escritos de
Juan, vê-se com claridade que a vida da qual fala este autor é a vida
eterna, a vida de Deus e em Deus.

2.

Porque a vida.

Melhor, "e a vida" (BC).  A palavra "vida" do vers. 1 proporciona uma base
para o que se diz da "vida" no vers. 2, que é um parêntese, uma
digressão do fio principal do tema.  A sintaxe dos vers. 1-3 é
complicada.  O pensamento fica em suspense até o vers. 3, onde o autor
resume sua exposição com uma conclusão lhe abranjam.  Entretanto "a vida" no
parêntese do vers. 2 se refere principalmente à vida de Cristo que foi
revelada em sua encarnação.

Foi manifestada.

Gr. faneróÇ, "fazer saber", "fazer visível", "pôr de manifesto", "mostrar".
Juan freqüentemente usa o verbo faneróÇ (nove vezes no Evangelho e seis vezes em
a epístola).  Esta manifestação da vida corresponde com o "Verbo" que
"foi feito carne" do Juan 1: 14, e se refere à encarnação que viram os
moradores da terra que contemplaram sua glória.

Várias das palavras favoritas do Juan aparecem nos vers. 1-3, embora a
vezes as traduções obscurecem a precisão da palavra original.  ARJ',
"princípio", aparece 23 vezes nos escritos do apóstolo (princípio 21 vezes
na RVR); zÇ' "vida", 64 vezes ("vida", 55 vezes na RVR); marturé, "dar
testemunho" e "atestar", 47 vezes (37 vezes na RVR).

Vimos.

O apóstolo não só tinha visto e ouvido "referente" ao Verbo de vida (vers. 1) a não ser
que também tinha percebido seu significado como "vida" (ver com.  Juan 1: 4).

Atestamos.

Juan não se contentou contemplando a Cristo; também se sentiu impulsionado a
"atestar" do que tinha visto (cf. com.  Hech. 1: 8).

Anunciamos.

Gr. apaggéll, "ser portador de novas", "proclamar", "declarar".

A vida eterna.

A associação de "vida" com "eterna" se apresenta 23 vezes nos escritos de
Juan.  O apóstolo pensa em términos de eternidade, e destaca a natureza
eterna de seu amado Senhor e da vida que antecipa compartilhar com ele (ver com.
Juan 3: 16).

Com o Pai.

Gr. prós tom patéra (ver com. "com Deus", no Juan 1: 1).  A palavra prós,
"com". expressa a proximidade do Verbo com o Pai e ao mesmo tempo deixa em
claro sua personalidade separada.  Embora Juan não mencionou ainda ao Filho
por nome, seu uso do qualificativo "Pai" implica a filiação do Verbo e
prepara o caminho para a identificação plena do Verbo como Jesucristo em 1
Juan 1: 3.

Nos manifestou.

O autor está cheio de reverente respeito ao compreender o privilégio que se o
concedeu de ver aquele que tinha estado com o Pai da eternidade.  O
esplendor da revelação nunca se obscurece na mente do Juan, mas sim
permanece no centro de sua visão espiritual (cf.  Juan 1: 14, 18).

3.

O que vimos.

Uma repetição retórica (vers. 1-2) para dar ênfase e recapitular tudo o que
previamente se há dito.  A importância desta ênfase no conhecimento
pessoal que o autor tinha do Jesus, dificilmente pode ser exagerado tendo
em conta que um dos propósitos da epístola é opor-se às primeiras
manifestações 647 do gnosticismo (ver pp. 643-644).

Comunhão.

Gr. koinÇnía (ver com.  Hech. 2: 42).  Implica compartilhar mutuamente, já seja que
o companheirismo seja entre iguais, como o caso dos irmãos na fé, ou
entre seres de hierarquia diferente, como é entre Deus e o homem (cf.  Hech.
2: 42; 2 Cor. 8: 4; Gál. 2: 9; Fil. 2: 1; etc.). O apóstolo deseja neste caso
que seus leitores compartilhem as mesmas bênções espirituais que ele desfruta
mediante um conhecimento do Pai e do Filho.  Fazer que outros possam
participar desta comunhão é um dos principais propósitos da
epístola.  A palavra "comunhão" faz ressonar uma das notas chaves do
primeiro capítulo.  que verdadeiramente conhece cristo sempre desejará que
outros compartilhem esse bendito companheirismo.  "logo que vem um a Cristo,
nasce no coração um vivo desejo de fazer conhecer outros quão precioso amigo
encontrou no Jesus" (DC 77).  Os que assim trabalham para outros ajudam a
responder a oração do Salvador, "que sejam um, assim como nós somos um"
(Juan 17: 22).

Nossa comunhão.

Literalmente "a comunhão a nossa"; quer dizer, a comunhão que existe entre
Juan e a Deidade.  O cristão se converte em um vínculo de união entre o
céu e a terra.  Com uma mão se aferra de seu conhecimento de Deus mediante
Cristo, e com a outra toma aos que não conhecem deus; nessa forma se
converte em um elo vivente entre o Pai e seus filhos extraviados.

Seu Filho Jesucristo.

Juan identifica ao Verbo com Cristo.  O qualificativo composto -Jesus e
Cristo- mostra que Juan está considerando tanto o aspecto humano como o
divino da vida do Filho (ver com.  Mat. 1: 1; Fil. 2: 5; cf. com. 1 Juan 3:
23).  Só mediante o Filho é possível ter comunhão com o Pai.  Unicamente
o Filho pode revelar a Deus aos homens (cf. com.  Juan 1: 18).

4.

Estas coisas.

Quer dizer, o conteúdo da epístola, que inclui o que já foi escrito em
os vers. 1-3 e o que o autor tem o propósito de escrever no resto de
a carta.

Vos.

A evidência textual se inclina (cf. P. 10) pelo texto "nós escrevemos".
 A oração então diria: "E estas coisas escrevemos" (BC).

Seu.

A evidência textual favorece (cf. P. 10) o texto "nosso" (BJ, BA, BC).  O
paralelismo com o Juan 16: 24 sugere "seu".  O parecido entre as duas
palavras é tal que facilmente poderia introduzir um engano de cópia.
Qualquer dos dois é lógico.  Juan escreve para que o gozo de seus leitores
seja completo.  Também escreve para que, compartilhando com eles, seu próprio gozo
seja completo.

Gozo.

O resultado natural da comunhão com Cristo (ver com.  ROM. 14: 17).

Completo.

Ou "completo" (BJ, BA). Jesus tinha expresso a mesma razão para falar de
"estas coisas" a seus discípulos (Juan 15: 11), e as palavras do discípulo
amado bem podem ter sido um eco das palavras de seu Professor.  O
cumprimento do gozo é um tema freqüente nos escritos do Juan (Juan 3: 29;
15: 11; 16: 24; 17: 13; 2 Juan 12).  A religião cristã é uma religião de
gozo (ver com.  Juan 18: 11).

Assim termina a breve introdução da epístola.  Juan, que pessoalmente
tinha conhecido a Cristo, desejava compartilhar seu conhecimento com seus leitores
para que pudessem participar da mesma comunhão que ele já desfrutava com o
Pai e o Filho.  Ao expressar este amante desejo, Juan afirma a divindade, a
eternidade e a encarnação -e portanto a humanidade- do Filho.  Transmite
este maravilhoso conhecimento com uma linguagem que é singelo mas enfático,
para que os leitores contemporâneos do apóstolo -e também os de nossos
dias- não tivessem nenhuma dúvida sobre o fundamento da fé cristã e a
natureza da obra do Jesucristo.  Desta maneira refuta com eficácia a
ensino gnóstica sem sequer mencioná-la.

5.

ouvimos que ele.

Melhor "de parte dele", quer dizer, procedente de Deus ou possivelmente de Cristo.  Juan
desejava deixar em claro que não tinha inventado nem descoberto a mensagem que
estava por transcorrer a seus leitores, mas sim o tinha recebido do Senhor, já
fora diretamente ou por revelação.

Anunciamos.

Gr. anaggéllÇ, "anunciar", "fazer conhecer", "descobrir", vocábulo diferente do
que se usa nos vers. 2 e 3 (apaggéllÇ), que também se traduz como
"anunciar".   AnaggéllÇ sugere levar as notícias até o que as recebe ou
de volta a ele, enquanto que apaggéllÇ destaca a origem da notícia, é
dizer de onde provém.

Deus é luz.

A ausência no texto grego do artigo "a" diante do vocábulo traduzido
"luz", especifica que "luz" é uma fase ou uma qualidade da natureza de Deus
(cf. com. cap. 4: 8).  Compare-se com a luz como 648 um atributo de Cristo em
Juan 1: 7-9.

A luz se relaciona intimamente na Bíblia com a Deidade.  Quando o Senhor
iniciou a criação, a luz foi o primeiro elemento que criou (Gén. 1: 3). As
manifestações divinas geralmente estão acompanhadas por uma glória inefável
(Exo. 19: 16-18; Deut. 33: 2; ISA. 33: 14; Hab. 3: 3-5; Heb. 12: 29; etc.).
Deus é descrito como "luz perpétua" (ISA. 60: 19-20) e como quem amora "em luz
inacessível" (1 Tim. 6: 16).  Estas manifestações físicas são simbólicas de
a pureza moral e a perfeita santidade que distingue o caráter de Deus (ver
com.  "glória" [dóxa], Juan 1: 14; ROM. 3: 23; 1 Cor. 11: 7).

Uma das mais notáveis qualidades da luz é seu poder para dissipar as
trevas.  Deus manifesta esta qualidade no plano supremo, o espiritual,
em um grau superlativo: ante seus olhos não pode existir a escuridão do pecado
(Hab. 1: 13).

Não há nenhuma trevas nele.

Literalmente "trevas nele não há nenhuma".  A dobro negação exclui
enfaticamente a presença de qualquer elemento de trevas na natureza
de Deus.  É típico que Juan presente uma afirmação categórica como "Deus é
luz", e que logo a reforce com um contraste do oposto (cf. vers. 6, 8;
cap. 2: 4; Juan 1: 3, 20; 10: 28).  Há uma razão imediata para a ênfase de
a declaração do Juan.  A teoria gnóstica afirmava que o bem e o mal eram
contrários que mutuamente se necessitavam, e que ambos tinham emanado da
mesma fonte divina: Deus.  Esta doutrina teve seus orígenes no filósofo
grego Heráclito (535-475 A. C.). Entretanto, se Deus for completa e
inteiramente "luz", sem a mais pequena mescla de trevas, então o
gnosticismo (ver T. VI, pp. 57-58) estava ensinando algo oposto à
natureza de Deus e devia ser rechaçado pelos que aceitavam as palavras do
apóstolo.

Nos escritos do Juan "trevas" (skótos ou skotía) é a antítese de "luz",
assim como nas epístolas do Pablo pecado é a antítese de justiça (ROM. 6:
18-19) e "carne" de "Espírito" (cap. 8: 1).  Ver Juan 12: 35, 46; com.  Juan 1:
5; 8: 12.

6.

Se dissermos.

Para obter que o escutassem os que necessitavam seu conselho, o apóstolo
suaviza alguns de suas recriminações implícitas fazendo-os hipotéticos (cf. vers.
8, 10; etc.) e se inclui a si mesmo na afirmação.  Sem dúvida compreendia que
muitos pretendiam ter comunhão com o Pai, mas procediam contra a
vontade divina; entretanto, usa uma linguagem amável com a esperança de não
chocar-se com seus leitores.

Temos comunhão.

Ver com. vers. 3.  A pretensão de ter comunhão com Deus deve ser demonstrada
por seus resultados práticos.  Estes se manifestarão na vida mediante
pensamento e ação, oração e obras (MC 410).  Experimentar a presença de
Deus; é estar sempre consciente de sua proximidade mediante o Espírito Santo.
Cada pensamento, cada palavra, cada ato, refletem a experiência de seu amante
presença e reconhecimento de que ele o vê tudo.  aprendemos a amar a
Deus.  Sabemos que ele sempre nos amou, e estamos agradecidos por seu amparo
(Sal. 139: 1-12; Jer. 31: 3).  Assim como um menino desliza com toda sua confiança
emano dentro da de seu pai quando se aproxima do perigo, e a mantém assim
até depois de que tenha passado tudo, da mesma maneira o filho de Deus caminha
com seu Pai celestial.  Essa é a verdadeira "comunhão com ele".

Andamos.

Gr. peripatéÇ (ver com.  F. 2: 2; Fil. 3: 17).

Trevas.

Gr. skótos (ver com. vers. 5). Nada pode reproduzir-se nas trevas,
exceto certas formas inferiores de vida que tendem a fazer mais sombrias as
trevas.  A podridão prolifera rapidamente se não chegar até ela a luz
purificadora.  Os olhos que se acostumaram à escuridão, não podem
reagir ante a luz.  O mesmo acontece com a alma: a escuridão do pecado
impede o crescimento espiritual e o pecado contínuo destrói a percepção
espiritual.  Entretanto, os homens estão tão obstinados ao pecado, que procuram
as trevas para pecar de maneira mais completa (Juan 3: 19-20).

Mentimos.

Juan põe de relevo a hipocrisia dos que professam seguir o caminho da
luz, mas voluntariamente andam em trevas.  Se Deus for luz (vers. 5), todos
os que têm comunhão com ele também devem andar na luz.  Por isso
qualquer que pretende ter comunhão com o Pai e entretanto anda em
trevas, tem que estar mentindo. Sua pretensão de ter comunhão com Deus
demonstra que, ao menos em certa medida, conhece a luz; mas as trevas
que o rodeiam provam que está afastado da luz por ignorância ou que,
deliberadamente, rechaçou-a. 649

Não praticamos a verdade.

Outro exemplo da maneira em que Juan repete uma afirmação -"mentimos"- com seu
negação equivalente -"não praticamos a verdade"- (ver com. vers. 5).  A idéia
de "praticar a verdade" é peculiar do Juan (ver com.  Juan 3: 21; cf. com.
cap. 8: 32).  Quanto a "verdade" (alétheia), ver com.  Juan 1: 14.  além de
mentir com suas palavras, os que andam "em trevas" tampouco praticam a
verdade em sua conduta.  O pecado se expressa primeiro como um pensamento, mas
pelo general o pensamento se converte em um fato.  Quando a conduta
diária chega ao ponto de rechaçar o hábito de assistir à igreja, é uma
demonstração de que se cortou a comunhão com Deus.  Quando a religião
deixa de ser uma prática cotidiana, elimina-se a Deus da vida diária e, em
mudança, dá-se lugar às trevas.

7.

Mas se andarmos.

Aqui se apresenta o lado positivo.  Juan não deixa a sua grei no desespero,
mas sim se ocupa dos aspectos positivos da vida cristã para animar a
seus filhos espirituais e para expressar sua confiança neles.

O está em luz.

Constantemente Deus está circundado da luz que irradia de si mesmo.  O
melhor que o cristão pode fazer é caminhar nos raios de luz que se
refletem de Deus.  Assim como um viajante segue a luz do guia com o passar do
caminho escuro e desconhecido, assim também o filho de Deus deve seguir no
caminho da vida a luz que procede do Senhor (2 Cor. 4: 6; F. 5: 8; cf.
com. Prov. 4: 18).

Uns com outros.

Se andarmos na luz, andamos com Deus, de quem brilha a luz, e temos
comunhão não só com ele mas também também com todos os que estão seguindo ao
Senhor.  Se servirmos ao mesmo Deus, e acreditam as mesmas verdades, e seguimos
as mesmas instruções no caminho da vida, não podemos menos que caminhar
em unidade.  O mais tênue sinal de má vontade entre nós e nossos
irmãos na fé, deve nos impulsionar a examinar nossa conduta para estar
seguros de que não nos estamos se separando do atalho iluminado da vida (cf.
com. cap. 4: 20).

E o sangue.

A última oração deste versículo é de maneira nenhuma uma idéia posterior,
pois a experiência que aqui se está intimamente relacionada com "na luz".
Juan reconhece que até os que têm comunhão com Deus continuam necessitando
ser limpos do pecado, e por isso assegura ao cristão que Deus já se há
antecipado a essa necessidade e proporcionado o remédio.  Quanto ao
significado de "sangue" para ser limpo de pecado, ver com.  ROM. 3: 25; 5: 9;
cf. com. Juan 6: 53.

Jesucristo.

A evidência textual estabelece (cf. P. 10) o texto "Jesus".  Assim o traduzem
a (BJ, BA e NC).  Mas como Juan com freqüência usa em suas epístolas a
palavra "Jesucristo", ou fala do Jesus como "o Cristo" ou "o Filho de Deu"
(cap. 4: 15; 5: 1, 5), muitos preferem a variante Jesucristo.  Em seu
Evangelho freqüentemente fala do Jesus como o Verbo encarnado; mas aqui pensa
particularmente em El Salvador divino-humano, Jesucristo.  Quanto ao título
"Jesucristo", ver com.  Mat. 1: 1.

Seu Filho.

Esta identificação adicional do Jesus destaca a magnitude do sacrifício que
proporcionou o sangue purificador: proveio do Filho de Deus.  Quanto à
filiação divina de Cristo, ver com.  Luc. 1: 35.

Poda.

Gr. katharízÇ, "limpar", "desencardir", verbo usado nos Evangelhos para a
"limpeza" de um leproso (Mat. 8: 2; Luc. 4: 27; etc.) e, em outras passagens,
para ficar limpo de pecado ou da culpabilidade do pecado (2 Cor. 7: 1; F.
5: 26; Heb. 9: 14; etc.). A limpeza a que se refere Juan não é a que ocorre
no primeiro arrependimento e confissão, no começo da vida cristã e
que precede à comunhão com Deus.  Aqui fala da limpeza que continua a
través de toda a vida terrestre e que é parte do processo de santificação
(ver com.  ROM. 6: 19; 1 Lhes. 4: 3).  Jamais ninguém, exceto Cristo, viveu
uma vida sem pecado (ver com.  Juan 8: 46; 1 Ped. 2: 22); por isso os homens
continuamente necessitam do sangue de Cristo para ser limpos de seus
pecados (ver com. 1 Juan 2: 1-2).

O autor se inclui entre os que necessitam essa limpeza.  Os que caminham mais
perto de Deus, na glória da luz divina, compreendem melhor sua própria
pecaminosidad (cap.  1: 8, 10; HAp 448-449; CS 522-527).

Tudo pecado.

Quanto ao "pecado", ver com. cap. 3: 4.

8.

Se dissermos.

Ou "quando dizemos".  Ver com. vers. 6.

Não temos pecado.

Juan não especifica se havia alguns que publicamente pretendiam ser perfeitos,
ou se se tratava de uma atitude implícita; mas capta a existência dessa
pretensão 650 e mostra seu perigo.  O uso que faz do verbo em presente
mostra que os que contavam em si mesmos pretendiam para si uma justiça
presente e contínua que em realidade não tinham alcançado.  Não negavam que haviam
pecado antes, mas agora diziam literalmente: "não temos pecado".  Neste
respeito contrastavam agudamente com os genuinamente justos, quem reconhece
seu pecaminosidad e necessidade de limpeza (vers. 7). Só Cristo pode afirmar
que está livre de pecado (ver com. vers. 7).  Quanto a "pecado", ver com.
cap. 3: 4.

Enganamo-nos.

Ver com.  Mat. 18: 12.  Como enganamos a nós mesmos, não podemos culpar
a ninguém mais.  A pretensão de não ter pecado é um elogio do eu, uma
ressurreição do homem velho, um ato de orgulho, de pecado, portanto é
uma contradição própria característica do que se engana a si mesmo.  Não está
disposto a admitir seu pecaminosidad, e por isso seu enganoso coração inventa
incontáveis maneiras de declarar sua inocência.  O poder penetrante da
Palavra de Deus é quão único pode revelar a verdadeira condição do
coração; só então é quando a mente está disposta a aceitar esse
veredicto (Jer. 17: 9; Heb. 4: 12).

A verdade não está em nós.

Ver com. vers. 6.  O autor, depois de uma afirmação positiva, acrescenta a
negação equivalente (cf. vers. 5-6).  que deliberadamente rechaça o
correto e aceita uma falsidade, especialmente uma que o faz sentir-se superior
a outros e sem necessidade do Salvador, nunca pode estar seguro de que alguma
vez se sentirá de novo disposto a discernir a diferença entre o falso e o
correto, ou que poderá fazê-lo (cf. com.  Mat. 12: 31).  A menos que tal pessoa
rapidamente volte para o caminho anterior, onde humildemente possa receber a luz
da verdade, apartará-se por um caminho que só pode terminar em condenação
e morte. Não importa quão profundo seja o conhecimento de outros aspectos da
verdade, um engano neste sentido fará inútil todo outro conhecimento.

9.

Confessamos.

Gr. homologéÇ, "dizer a mesma coisa", "reconhecer", "confessar" (ver com.  ROM.
10: 9); de homós, "igual", e légÇ, "dizer".

Pecados.

Gr. hamartía (ver com. cap. 3: 4).  As palavras do Juan mostram que se dava
conta de que os cristãos sinceros às vezes caem no pecado (cf. com. cap.
2: 1) Tambien é claro que está falando de atos específicos de pecado, e não
de pecado como um princípio maligno presente na vida. portanto, a
confissão deve ser mas especifica que a simples admissão de que se pecou.
O reconhecimento da natureza precisa de um pecado e a compreensão dos
fatores que levaram a cometê-lo, são essenciais para a confissão e para
adquirir a força necessária a fim de resistir uma tentação similar quando
reapareça (5T 639). Não estar dispostos a ser específicos poderia revelar a
ausência do verdadeiro arrependimento e a falta de um desejo real de todo o
que implica o perdão (DC 40).  Quanto à estreita relação que existe
entre a confissão e o arrependimento, ver com. Eze. 18: 30; 5T 640.

O contexto dá a entender que o autor espera que a confissão seja feita a
Deus, pois só ele "é fiel e justo para perdoar nossos pecados, e
nos limpar de toda maldade"; portanto, não se necessita um intercessor humano,
nenhum sacerdote, para que nos absolva de pecado. Vamos a Deus não
unicamente porque só ele pode "nos limpar" mas sim porque pecamos contra
ele.  Esta verdade se implica a tudo pecado.  Se o pecado for também contra
alguma pessoa, então a confissão deve fazer-se a essa pessoa e também a
Deus (5T 645-646; DTG 751).  Os alcances da confissão devem medir-se pelos
alcances do dano causado por nosso mal proceder (cf. com. Prov. 28: 13).

O é fiel.

O único elemento de incerteza no processo da confissão e do perdão
está no pecador.  Se o homem confessar de verdade, é seguro o perdão do
Senhor.  A fidelidade é uma das mais destacadas qualidades do Senhor (1 Cor.
1: 9; 10: 13; 1 Lhes. 5: 24; 2 Tim. 2: 13; Heb. 10: 23).  Juan realça aqui a
fidelidade de Deus para outorgar o perdão (cf. com. Exo. 34: 6-7; Miq. 7: 19).

Com quanta freqüência se renuncia à paz por duvidar da fidelidade de Deus!
Satanás faz tudo o que pode para quebrantar nossa fé no solícito
interesse que o Senhor tem em nós como indivíduos (DMJ 95).  Sente-se
satisfeito de que criamos que Deus cuida de muitos ou da maioria de seus filhos
sempre e quando puder nos induzir a duvidar de que ele cuida em forma pessoal de
nós. Sempre precisamos recordar o poder divino que impedirá que
caiamos (Jud. 24); e se cairmos por não recorrer a esse poder, 651 devemos
acudir, arrependidos, ante o trono da misericórdia e da graça em busca
de perdão (cf. Heb. 4: 16; 1 Juan 2: 1).

Justo.

Gr. díkaios, "justo" ou "reto" (ver com.  Mat. 1: 19).  Deus é um juiz justo,
e sua justiça é mais evidente se se contrastar com "toda" nossa "maldade
[adikía].  Felizmente para nós sua justiça está moderada com
misericórdia.

Perdoar.

Gr. afi'meu, verbo usado no NT com diversos significados: "enviar",
"despedir", "ir-se", "Perdoar"; entretanto, quando se usa em relação com
"pecado", uniformemente se traduz como "perdoar" (ver com.  Mat. 6: 12; 26:
28).  A fidelidade e a justiça de Deus se manifestam mais completamente
dentro do âmbito do perdão.  Quanto ao perdão, ver com. 2 Crón. 7: 14;
Sal. 32: 1; Hech. 3: 19.

Nossos pecados.

Quer dizer, os pecados específicos que confessamos.  O Senhor está preparado a
perdoar ao pecador arrependido, mas perdoar não significa de maneira nenhuma
tolerar.  Os pecados confessados são tirados pelo Cordeiro de Deus (Juan 1:
29).  O bondoso amor de Deus aceita ao pecador arrependido, tira-lhe o
pecado que confessa e aparece diante do Senhor coberto com a perfeita vida
de Cristo (Couve. 3: 3, 9- 10; PVGM 252-254).  O pecado desapareceu, a
condição do pecador é a de um homem novo em Cristo Jesus.

E nos limpar.

A frase "nos limpar de toda maldade" pode entender-se como relacionada com
"perdoar nossos pecados", ou como que apresenta um processo distinto do
perdão, e que vem depois dele.  Ambas as idéias são corretas quando se aplicam
ao jornal viver do cristão.  Tudo pecado mancha, e quando o pecador é
perdoado fica limpo dos pecados que lhe foram perdoados.  Quando David
confessou seu grande pecado, orou: "Cria em mim, OH Deus, um coração limpo" (Sal. 51:
10).  O propósito do Senhor é limpar ao pecador arrependido de toda maldade.
O pede perfeição moral de seus filhos (ver com.  Mat. 5: 48), e há provido o
necessário para que cada pecado possa ser resistido com êxito, e vencido (ver
com.  ROM. 8: 1-4).  Enquanto vivamos haverá novas vitórias que ganhar e novas
alturas que escalar.  Esta limpeza cotidiana do pecado e o crescimento na
graça, chama-se santificação (ver com.  ROM. 6: 19).  O primeiro passo redentor
que Deus obra em favor do pecador, quando este aceita a Cristo e se separa de
seu pecado, chama-se justificação (ver com.  ROM. 5: 1). É possível ver esses
dois processos nas palavras do Juan, mas não se pode saber se o apóstolo
pensava na distinção entre esses passos na salvação.  É mais provável que
estivesse pensando na limpeza que acompanha ao perdão, embora suas palavras
podem ter uma aplicação mais ampla.

De toda maldade.

Esta declaração te abranjam esclarece quão completamente está Deus disposto a
eliminar a maldade dos que confessaram seus pecados e foram perdoados;
mas o pecador deve cooperar com Deus abandonando o pecado.  Se se seguir o
plano bíblico, a limpeza será completa.

É necessário vigiar cuidadosamente em oração para impedir que renasçam os
antigos hábitos de pensamento e conduta (ROM. 6: 11-13; 1 Cor. 9: 27).  A
ação da vontade é decisiva, mas a vontade é débil e vacilante até
que Cristo a limpe e fortalezca.  O coração enganoso com freqüência tem um
desejo oculto propenso a seus antigos hábitos de vida, e apresenta muitas
desculpa para justificar uma contínua complacência desses hábitos.  Para não
cair no pecado é imprescindível estar continuamente alerta frente ao
perigo, e também se necessita uma renovação diária dos bons propósitos
(DC 52), pois o ciclo não pode fazer nada pela pessoa a menos que aceite a
graça e o poder de Cristo para erradicar cada desejo pecaminoso e cada malote
tendência de sua vida.  Ver com. 1 Juan 3: 6-10; Jud. 24.

10.

Não pecamos.

Esta é terceira e especificamente a mais falsa das pretensões à
santidade (cf. vers. 6, 8).  No vers. 6 se fala do pensamento ilusório de
manter comunhão com Deus enquanto se anda em trevas.  É fácil pretender
isto; é difícil refutar esta pretensão.  No vers. 8 se menciona a ilusória
pretensão de possuir um coração sem pecado; também é difícil provar o
contrário.  Entretanto, aqui Juan diz que alguns afirmam que não cometeram
nenhum ato pecaminoso.  Essa pretensão não é verdade, pois todos pecamos
(ROM. 3: 23).  A epístola está dirigida a cristãos que teriam que saber
bem o que era o pecado, e por esta razão Juan se refere claramente à
conduta depois da conversão.

Fazemos a ele mentiroso.

A conseqüência da mencionada pretensão de não haver 652 cometido nenhum
pecado, apresenta-se de acordo com o patrão seguido nos vers. 6 e 8, onde
os resultados se expressam tão positiva como negativamente; mas aqui se usam
palavras mais graves.  A pretensão de manter comunhão com Deus nos converte
em mentirosos (vers. 6).  Pensar que não temos pecados significa que nos
estamos extraviando (vers.  8); mas a pretensão de que não pecamos,
converte a Deus em mentiroso.  Não é que uma pretensão humana possa afetar
a perfeição divina, mas sim se semelhante pretensão -não ter pecado- fora
verdadeira, estaria em contradição com as claras afirmações da Palavra
de Deus.

Sua Palavra.

A referência não é a Cristo -o Verbo de vida- a não ser à palavra pronunciada ou
escrita Por Deus como o veículo mediante o qual se transmite sua verdade
(vers. 8).  Esta Palavra é verdade (Juan 17: 17), e não pode estar dentro de
os que contradizem suas evidentes declarações.  Se os seres humanos não
aceitam o testemunho de Deus, se negarem a validez da descrição que ele
faz da condição deles, estão fechando a porta a sua Palavra e ela não
pode morar mais em seus corações.

A Palavra inspirada é o meio ordenado Por Deus para revelar ao seu homem
verdadeira condição e para salvá-lo a fim de que não seja enganado acreditando que
não tem pecado.  portanto, cada cristão deve ser um estudante diligente
da Palavra; deve aprender de cor as verdades da Bíblia para
fortalecer sua mente com a Palavra lhe vivifiquem. Suas preciosas promessas serão seu
apóio em tempos de provas e dificuldades, e sua instrução em justiça nos
conduzirá ao Salvador e nos preparará para receber seu caráter santo (2 Tim. 3:
16-17).  Se tivermos a Palavra de Deus em nosso coração, não pecaremos mais
voluntariamente contra o Senhor (Sal. 119: 11); entretanto, não pretenderemos
que já alcançamos a santificação completa e definitivamente (cf.  CS
676-677).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1 CH 557; DTG 307; ECFP 92; HAp 443; PR 166; 6T 90

1-3 HAp 454; MC 366; 8T 321

1-7 7T 286

2 CM 421; DTG 215; Ed 80; HAp 434; PVGM 25

3 CH 557; DTG 307; ECFP 92; HAp 443; PR 167; 6T 90

5 CS 530; Ev 210; 1JT 157; MB 83

5-7 3T 528

6-8 ECFP 89

7 CM 147; CS 79; DMJ 98; FV 97; HAd 186; 1JT 345, 404; 3JT 238, 293; MC 60; OE
169; PR 236; 3T 464; 4T 625; 5T 254; TM 211, 517

8 ECFP 8, 65; NB 84

8-10 HAp 449

9 DC 41; DMJ 99; DTG 232, 746; HAp 441, 452; MB 159; MC 85, 136, 174; PVGM 122;
St 641; TM 147

Assine Agora.

Receba Estudos Biblicos diariamente no seu E-mail.