[Exegese Biblica] Fé e Obras.


Para boa compreensão de qualquer assunto é necessário definir palavras para ter noções exatas do seu significado.
Que é fé?
Dentre tantas definições coligidas estas se avultam por sua expressividade:
"A fé é um ato pelo qual o homem se entrega a Deus." – Bíblia de Jerusalém, pág. 1472.
Conservando a idéia anterior, mas usando outras palavras: é a completa entrega da nossa vida aos cuidados de Deus.
"Fé é a reação do homem diante de uma ação de Deus." – Meditações Matinais 6-5-1981.
Em Romanos 12:3 Paulo nos lembra que a fé constitui um dom concedido a cada pessoa.
Sua definição real segundo o sentido que Jesus lhe deu é: confiança.
Assim a definiu Ellen G. White: "A fé é a confiança em Deus, ou seja a crença de que ele nos ama e conhece perfeitamente o que é para o nosso bem." – Educação, pág. 253.
"Fé salvadora é uma transação, mediante a qual, os que recebem a Cristo se ligam em concerto com Deus." – Obreiros Evangélicos, pág. 261.
É a atitude de completa confiança em Cristo, de dependência exclusiva dele e ainda o abandono pelo homem de toda a confiança em seus próprios esforços para obter a salvação.
O Novo Dicionário da Bíblia, editado em português por R, P. Shedd, vol. II, pág. 609, explica o que é fé: "Fé significa lançar-se sem reservas nas mãos misericordiosas de Deus."

Fé significa apegar-se às promessas de Deus em Cristo, dependendo inteiramente da obra terminada de Cristo referente à salvação.
Fé implica em completa dependência de Deus e plena obediência ao Senhor. Fé é o ato de entrarmos numa relação de concerto com Deus.
Cristo deu à fé um valor importante na salvação, como nos mostram as passagens de Mat. 15:28 e Luc. 7:50.

Fé no Velho Testamento

A palavra é encontrada apenas duas vezes. Deut. 32: 20 e Habacuque 2:4 (hebraico emun e emunah).
Seria seu exíguo emprego o desprestígio da fé, no Velho Testamento? Não. Embora a palavra seja pouco freqüente, a idéia de fé é salientada por vocábulos que transmitem o mesmo sentido, tais como: crer, confiar, esperar, que ocorrem em abundância.
Mesmo nestas duas passagens, os comentaristas acham que os termos hebraicos mais significam lealdade, perseverança, fidelidade, do que fé.
 Emunah era confiança em Deus (YHWH). Para Paulo, fé (pistis) é confiança em Cristo.

Fé em o Novo Testamento

No Novo Testamento, a fé é altamente preeminente, porque agora Cristo se tornou muito mais real.
O substantivo pistis (fé) aparece 243 vezes; o verbo pisteo (exercer fé, crer, confiar) se encontra 241 vezes, enquanto o adjetivo pistos = fiel, ocorre 67 vezes.

Salvação e Boas Obras

Boas obras podem ser definidas assim: obediência às leis de Deus, prestar-lhe adoração, levar uma vida santa, praticar a caridade, visando granjear méritos para a salvação. Nas palavras de Paulo seriam as "obras da lei".
Biblicamente, ou de acordo com Tiago, a pessoa justificada diante de Deus deve pôr em ação a sua fé, realizando boas obras. Teologicamente n6s as chamaríamos obras da fé, da graça ou do amor.
A salvação não é o fruto das boas obras. Por mais significativas que sejam nossas boas obras elas não podem desfazer os nossos pecados, porém, ao aceitar a Cristo desejamos fazer o bem.
Ellen G. White comentando Rom. 3:20 e 21 disse:
"Que ninguém assuma a restrita e mesquinha posição de que qualquer das obras do homem possa ajudar de alguma maneira a saldar a dívida de sua transgressão. Este é um engano fatal.
"Entende-se este assunto tão vagamente que milhares e milhares de pessoas que pretendem ser filhos de Deus são filhos de Satanás, devido a confiarem em suas próprias obras. Deus exigiu boas obras, a lei as reclama, mas como o homem se colocou em pecado, onde suas boas obras eram destituídas de valor, somente a justiça de Deus pode valer.
"Tudo o que o homem pode fazer, concernente à sua própria salvação, é aceitar o convite: Quem quiser tome de graça da água da vida." – The SDA Bible Commentary, vol. 6, pág, 1071.
O homem sempre comete um erro em religião quando transforma meios em fins. Jejum, oração, ir à igreja, guardar o sábado, praticar boas obras não são fins, mas meios que nos ajudam na vida espiritual.
Se nossas obras nos garantissem a salvação privaríamos a Cristo de ser nosso Medianeiro, nosso Salvador.

Qual a Posição Adventista Sobre Fé e Obras?

"Dentre as nossas crenças fundamentais com os cristãos conservadores e os credos protestantes históricos, cremos:
"Que a salvação por meio de Cristo é pela graça somente, pela fé em seu sangue. Que o homem é justificado pela fé." – Questions on Doctrine, pág. 22.
Nossa crença está fundamentada em Rom, 3: 28. "Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei." O verso 27 de Rom, 3 torna claro, que se o homem fosse justificado pelas obras, ele teria razões para se vangloriar, mas sendo justificado porque Jesus é o objeto de sua fé, então todo o crédito pertence a Deus,
E. G. White, com muita propriedade, nos ensina que toda a glória pertence a Deus, ao definir justificação da seguinte maneira: "É a obra de Deus ao lançar a glória do homem no pó e fazer pelo homem aquilo que ele por si mesmo não pode fazer." – Testemunhos para Ministros, pág. 456.
"Ser justificado sem obras significa ser justificado sem que haja qualquer mérito de nossa parte na justificação." – SDABC, vol. 6, pág. 509.
A mensageira deste movimento muito escreveu sabre a relação entre fé e obras, Eis uma de suas declarações:
"As obras jamais nos salvarão; é o mérito de Cristo que tem eficácia. Por meio da fé nele, Cristo torna todos os nossos imperfeitos esforços aceitáveis a Deus. A fé que devemos ter não é a fé inoperante; a fé salvadora é a que opera por amor e purifica a alma," – Signs of the Times, 16-6-1890.

Se a pessoa não é salva por meio de obras, muitos concluem então que não há necessidade de praticar boas obras. É necessário fazer bem claro a diferença entre fazer obras visando alcançar a salvação e praticar obras porque a pessoa foi salva.. . No primeiro caso boas obras são causa ou meio de salvação; no segundo, as boas obras são o resultado, os frutos daquele que nasceu de novo.

Lutero e as Boas Obras

Lutero foi um homem extraordinário, levantado por Deus para combater as trevas espirituais, que se alastravam pelo mundo em conseqüência de ensinos não sancionados pelas Escrituras. Entre estes falsos ensinos se encontrava a importância que a Igreja Católica deu às obras no plano da salvação. Sentencia ela: O Homem é salvo pela fé e pelas obras. Para ela as obras estão em pé de igualdade com o sacrifício de Cristo na cruz do Calvário. A igreja fez uma grande confusão de "meios" e "fins". Se as obras salvassem, os homens teriam do que se gloriar e por seu intermédio alcançariam o céu. Jesus Cristo é o único caminho para o céu. As obras nunca foram meios de salvação.
O Pai da Reforma combateu tenazmente o ensino católico, mas como homem sujeito a falhas e imperfeições foi a outro extremo anulando totalmente as obras.
Ensinava ele: exaltemos a fé e a fé somente. Nada de obras, nem para a salvação (aqui ele estava bem certo), nem para o salvo (nesta afirmação ele estava errado, porque é contrária ao ensino bíblico).
Ele descobrira pelo estudo de Romanos e Efésios que a justificação é independente das obras (Romanos 3:21 a 31; Efésios 2:8 e 9).
Lutero, não compreendendo bem que as boas obras são o efeito e não a causa da nossa salvação, não soube harmonizar Paulo com Tiago.
Escudado em Paulo, que é o grande teólogo do Novo Testamento, concluiu que a salvação era independente das obras, como declara ele em Rom. 3:24 e Efés. 2:8-9; por isso não podia aceitar o que Tiago afirmava no capítulo 2 verso 24.
Chegou a ser impiedoso para com Tiago, chamando a sua carta de Epístola de Palha, afirmando ainda que daria seu barrete de doutor a quem pudesse harmonizar Paulo e Tiago.

É bom saber que somos salvos:
a)     Pela graça – é a fonte. Rom. 3:24; Efés. 2:8.
b)    Pelo sangue – é o meio. Rom. 5:9.
c)     Pela fé – é o método. Rom. 5:1.
d)    Pelas obras – são os frutos, as evidências. Tiago 2:24.


O Crente e as Obras

O crente não pratica boas obras para ser salvo, porém está salvo pela fé em Cristo, por isso as pratica.
Enéas Tognini no livro O Cristão e as Obras, página 20, nos apresenta esta importante verdade:
"Em Efésios 2:8, Paulo, pelo Espírito Santo diz: 'Pela graça sois salvos mediante a fé. . .' Nesta maravilhosa escritura temos as duas partes envolvidas no plano da salvação: Deus e o homem. Da parte de Deus é a Graça. Graça é favor de Deus, presente de Deus. A Mão de Deus está estendida para o homem com o presente eterno, que é Jesus. O Salvador lhe é oferecido inteiramente de graça, isto é, sem dinheiro e sem preço. A parte do homem é a Fé. O homem estende a sua mão e recebe de Deus o presente que é Jesus. E nesse ato de Deus dar e o homem receber, consumou-se a salvação."
A parte do homem é apenas dizer: "Sim, eu aceito o sacrifício que Cristo fez por mim, eu creio." Isto é fé.

As boas obras são condenadas quando praticadas visando à salvação, porém, são necessárias e aceitas por Deus como resultado da salvação que Cristo nos oferece gratuitamente.
As Escrituras aconselham a prática das boas obras quando realizadas com o Espírito de Cristo – obras da fé, da graça ou do amor.

Os textos bíblicos exaltadores das boas obras são abundantes:
a)     Salmo 90:17 –  "Confirma sobre nós as obras das nossas mãos,"
b)    Prov. 10:16 – "A obra do justo conduz à vida."
c)     Ecles. 12: 14 – "Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más,"

As seguintes passagens de Paulo são a comprovação máxima de que ele esperava que os crentes praticassem boas obras como frutos da salvação.
a)     Tito 2:7 – "Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras."
b)    Col. 1:10 –  ". . . frutificando em toda a boa obra."
c)     I Tim. 6:18 – "Que pratiquem o bem, sejam ricos de boas obras."
d)    Efés. 2:10 – "Pois somos feitura dele, criados em Cristo para as boas obras."
e)     Atos 9:36 – "Tabita era notável pelas boas obras que fazia."
f)      Apoc. 2:10 –"Conheço as tuas obras."
g)     Mat. 21:18-20. A condenação da figueira que não produzia frutos é a prova máxima do desejo de Cristo que Seus filhos produzam boas obras.

"Devemos ter receio de uma religião em que as pessoas simplesmente se assentam, esperam e não fazem nada." – Meditações Matinais, 14.7.1981.
A fé e as obras são coisas excelentes, mas cada uma no lugar que a Bíblia lhe destina no plano da salvação.
Após a Associação Geral de Mineápolis (1888), declarou E. G. White que as pessoas estavam em "grande perigo de adotar conceitos errôneos sobre a fé e as obras." (Ms. 23, 1891), em virtude do estudo da Justificação pela Fé, que muitos aceitaram, outros assumiram posição neutra, mas alguns a rejeitaram. Visando orientar a Igreja ela escreveu artigos e proferiu sermões esclarecedores. Dezoito deles estão reunidos no opúsculo: Fé e Obras.

Paulo e Tiago se Harmonizam

Os críticos da Palavra de Deus chegam a afirmar que a Bíblia entra em contradição consigo mesmo, no tocante à fé e às obras. Parece haver contradição entre Paulo e Tiago neste sentido se compararmos Rom. 3, 4 e Gál. 3 com Tiago 2. O estudo cuidadosa dos escritos dos dois nos comprova que não há nenhuma incoerência entre ambos à luz dos princípios exegéticos. Uma análise serena nos leva à conclusão de que há perfeita harmonia entre os dois.
Os passos seguintes nos ajudarão a equacionar o problema enfrentado por Lutero e por muitos estudiosas da Bíblia.
1º) Fazer um confronto entre as passagens aparentemente conflitantes, isto é, colocá-las uma ao lado da outra: Rom. 3:20-31; Gál, 3: 6-14 e Tiago 2: 14-26. 
2º) A leitura atenta dessas porções, especialmente no Novo Testamento Vim é suficiente para esclarecer o sentido. 
3º) O estudo do contexto das epístolas é valiosa para ampliar a nossa compreendo.
Tiago se dirige a Judeus (1:1) "às doze tribos que se encontram na Dispersão". Eram cristãos ou crentes em Cristo. No capítulo 2 ele os chama 4 vezes de irmãos (versos 1, 5, 14 e15). Se eram crentes já tinham a Cristo no coração, Sendo crentes não iam fazer obras para alcançar a salvação, apenas deviam praticá-las para provar que eram crentes. Eles afirmavam ter fé, mas Tiago a chama de "morta", porque não a evidenciavam nas obras.
Paulo escreveu aos Gálatas, porque os membros das igrejas da Galácia, influenciados por mestres judaizantes pensavam que adquiririam a salvação cumprindo as obras e minúcias do judaísmo (Gál. 2:16; 3:1-6). Paulo torna claro que ninguém poderia ser salvo por suas ações ou pela guarda da lei.
Em Romanos 3:28 ele diz: "somos salvos pela fé em Cristo, e não pelas obras boas que fazemos" (Novo Testamento Vivo).
Tiago 2:24 – "Assim vocês vêem que a pessoa é aprovada por Deus por meio de suas ações, e portanto, que um homem é salvo pelo que faz, como pelo que cré". (Novo Testamento Vivo).
Onde Paulo diz "fé", Tiago afirma "obras". São contraditórios? Não. Paulo está escrevendo para judeus que queriam alcançar a salvação guardando preceitos da lei, fazendo as boas obras.
A pessoa é salva do pecado somente por Cristo. "Nada que vá além de Cristo" (Gál. 1:9). Para o céu só há um caminho, Cristo (João 14:6); a salvação só é possível por Ele (Atos 4:12); Ele é o único mediador (I Tim. 2: 5).
"A vida de Cristo que está no convertido terá que manifestar-se em obras, não para viver, mas porque está vivo, não para se salvar, mas porque está salvo. Paulo nunca combateu obras para o salvo, pelo contrário, estimulou-as repetidamente. Paulo condenou, e isso sim, obras como meio de salvação." – O Cristão e as Obras, de Enéas Tognini, p. 55.
Paulo e Tiago estavam no mesmo palco, de costas um para o outro, cada um tratando com problemas específicos.
Paulo combatia o legalismo (o uso indevido da lei, o esforço para obter méritos através de obras). Tiago enfrentava o problema do intelectualismo, pessoas que tinham uma fé na mente. Defendiam que a fé, sem as obras, é suficiente. Tiago diz a estes que eles não tinham fé, porque não a revelavam em obras de amor. Tiago não acredita em fé e obras, mas em fé que opera.
Paulo condena as obras da lei e Tiago defende as obras da fé, do amor ou da graça.
Se o contexto indica que eles estão falando de obras diferentes, a hermenêutica nos instrui que diferente deve ser a sua explicação.
Tognini no mesmo livro e mesma página já citados conclui:
"Se uma pessoa diz que crê em Jesus, prove isso realizando algo. Paulo atenta para a causa da salvação, Tiago para os efeitos da mesma salvação; Paulo fala em fé, Tiago em obras, ambos, porém, se referem à mesma salvação; fé que produz obras e obras que provam a fé."
O que mais intrigava a Lutero era que Paulo e Tiago defendiam suas posições aparentemente contraditórias com o mesmo exemplo bíblico, o de Abraão. Paulo afirma que o Patriarca foi justificado pela fé, sem qualquer obra de lei; enquanto Tiago diz que Abraão foi justificado por obras, quando estava disposto a oferecer o seu filho ao Senhor. Paulo olha para o ato da salvação, o momento em que o Senhor entrou e possuiu o coração do Patriarca; Tiago, porém, contempla o efeito dessa fé, que se manifestou no oferecimento de Isaque no monte Moriá.
Enéas Tognini conclui de maneira feliz suas ponderações ao dizer:
"Paulo contempla a causa da salvação, que é a fé em Cristo e Tiago o efeito da mesma salvação que são as obras. Paulo não combateu as obras, nem Tiago a fé. Cada uma delas é legítima em seu devido lugar."
Em Gênesis 15 Abraão foi justificado pela fé (Paulo cita o verso 61, mas em Gênesis 22, Deus justificou Abraão por suas obras, mas obras de fé. Fé em ação é o que Tiago nos apresenta no capitulo 2 de seu livro, ilustrando-a com a experiência de Abraão relatada. É o capítulo do sacrifício.

Conclusões

"Que ninguém diga que vossas obras nada têm que ver com vossa categoria e posição diante de Deus. No juízo, a sentença pronunciada será de acordo com o que tenha sido feito ou deixado de fazer." – Mensagens Escolhidas, livro 1, pág, 381.
Como igreja jamais depreciemos as boas obras, porque "a justiça de Cristo consiste em ações corretas e boas obras provenientes de motivos puros e altruístas." – Testimonies, vol., 3, pág. 528.

É errado pensar em Paulo enaltecendo a fé e apoucando as obras e julgar que Tiago exalta as obras e minimiza a fé.

Paulo condena as obras para a salvação, mas a exemplo de Tiago conclama os crentes, que aceitaram a Cristo, para as praticarem.

Fé e obras longe de serem princípios contraditórios, quando biblicamente compreendidas, ambas são processos de salvação, apenas dois lados de uma grande verdade que o Espírito Santo nos ajuda a harmonizar.

Nota

Dentre as fontes consultadas para este capítulo, as mais expressivas foram:
§     O Cristão e as Obras, de Enéas Tognini.
§     Fé e Obras de E. G. White.
§     Justificação, Santificação e Glorificação de Hans LaRondelle.

Assine Agora.

Receba Estudos Biblicos diariamente no seu E-mail.