[Exegese Bíblica] A Lei e a Graça.



Infelizmente, membros de Igrejas Evangélicas e até estudantes de Teologia de certas faculdades crêem firmemente que a lei se opõe à graça.
Anote estas declarações:
"Pondo o assunto em seu devido lugar, somente quando a lei é feita um meio de salvação, entra ela em choque com os princípios da graça. A lei destina-se a revelar o pecado; a graça destina-se a salvar do pecado. Nenhum conflito pode existir entre ambas."1
Os dispensacionalistas, contrariando o ensino bíblico, têm defendido duas épocas distintas: dispensação da lei – Velho Testamento e dispensação da graça – Novo Testa mento.
A finalidade deste estudo é harmonizar a lei com a graça, colocando cada uma em seu devido lugar.

Comentários Gerais

I. Que é Lei?

Na Bíblia, a palavra é empregada com múltiplos significados.
a)     Designa o Pentateuco. Luc. 24:44.
b)    A lei dada a Moisés no Monte Sinai. Rom. 5:13; Gál. 3:17,19.
c)     É empregada no sentido de expressão da vontade de Deus e do Seu caráter justo e santo. Rom. 3:20; 7:12; I Tim. 1:8; Tiago 1:25.
Em outras palavras: é a expressão do caráter de Deus em termos humanos.
Como igreja cremos nesta tríplice finalidade da lei.
1º) Ela nos mostra o pecado ou convence-nos de que somos pecadores. "Pela lei vem o pleno conhecimento do pecado." Rom. 3: 20.
2º) Guia o pecador a Cristo. Efés. 4:24-25.
3º) Será a norma do juízo. Tiago 2:12.

As leis são as normas estabelecidas por Deus para que por elas pautemos a nossa vida.

II. O que é Graça?

a)     Favor imerecido. Dádiva a que se não faz jus.
b)    É uma qualidade intrínseca de Deus, que brota do Seu amor por nós, levando-o a fazer tudo em nosso favor a fim de que possamos ser salvos.
c)     É a fonte de nossa salvação. "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus." Efés. 2:8.
d)    "Graça é a mão de Deus que se estende em direção a Terra. Fé é a mão do homem que se ergue para pegar a mão de Deus." –  Dicionário Adventista.
e)     É a aceitação do homem por parte de Deus.
"A graça divina, eis o grande elemento do poder salvador; sem ela, todo o esforço humano é inútil." – CPPE, pág. 487.
f)      Elemento divino que nos dá poder para obedecer á lei de Deus.
"Sem a graça de Cristo é impossível dar um passo em obediência à lei de Deus." – Selected Messages, vol. 1, pág. 372.
g)     "A graça é uma qualidade que dá ao homem a força de executar as exigências de Deus." Lutero.

Os Adventistas e a Lei

Como igreja já fomos acusados de crermos na justificação pela obediência à lei.
É uma realidade inegável, que antes de 1888 nossos pregadores encareciam muito a lei de Deus, mas após a Conferência Geral de Mineápolis graças à atuação segura de Ellen G. White e os estudos dos pastores Waggoner e Jones passamos a encarecer a Justificação pela Fé.
A acusação de crermos que somos salvos pela guarda dos mandamentos é infundada. Ninguém poderá provar através de nossas sermões e de nossa literatura esta idéia antibíblica.
A rica bibliografia adventista confirma que jamais atribuímos à lei uma função salvadora. Nossa posição quanto aos Dez Mandamentos é esta: São grandes preceitos morais, imutáveis, obrigatórios a todos os homens, em todas as épocas. Êxo. 20:1-17.
Aceitamos a declaração do eminente teólogo batista, Strong, em sua Teologia Sistemática, pág. 538:
"A lei de Deus é, por conseguinte, simplesmente uma expressão da natureza divina, em forma de reivindicações morais."

No parágrafo oitavo, das Crenças Fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia se encontra:
"O homem é justificado, não pela obediência da lei, mas pela graça que há em Cristo Jesus. Aceitando a Cristo, é ele reconciliado com Deus, justificando por seu sangue quanto aos pecados cometidos no passado e salvos do poder do pecado pela permanência de Sua vida nele."

A seguinte declaração de Santo Agostinho é oportuna: "Pela lei tememos a Deus, pela graça confiamos nele."

O Legalismo e a Guarda dos Mandamentos

Nos dias de Paulo havia três erros concernentes à lei e à graça, erros esses que têm perdurado até os nossos dias. Esses erros são:
1º) O Legalismo – É o ensino que somos salvos pelas obras, observando cerimônias e preceitos da lei. O livro de Romanos refuta esse erro.
2º) O Antinomianismo. Ensina que se somos salvos pela graça, não faz diferença alguma como vivemos e nos conduzimos.
A epístola de Tiago é uma resposta a este erro doutrinário.
3º) O galacianismo. É o ensino que somos salvos pela graça, mas, após isto, somos guardados pela lei. Em outras palavras: Somos salvos pela fé e obras. Paulo guiado pelo Espírito Santo escreveu a carta aos Gálatas combatendo esta heresia. Ver Novo Testamento Interpretado, de Russel Norman Champlin, 4º vol. pág. 435.

Deploravelmente, há muita gente entre nós não sabendo distinguir o legalismo da guarda dos mandamentos. Legalismo não é guardar a lei, obedecer a Deus, mas guardar a letra da lei para obter méritos diante de Deus. Legalismo é o mau uso da lei.
A obediência é necessária, mas depender de nossa obediência para a salvação é totalmente contrária ao espírito do evangelho.
Os judeus afirmavam que Jesus não interpretou bem a lei, quando sabemos que Ele é o verdadeiro intérprete da lei.
Nossa atitude para com a lei deve ser a que Cristo teve, como está relatada na profecia messiânica de Isaías 42:21 – "Foi do agrado do Senhor, por amor de sua própria justiça, engrandecer a lei e fazê-la gloriosa."
Hal Lindsey na obra Satan is Alive and Well on Planet Earth, pág. 163, escreveu:
"Se procurarmos ser justificados como crentes pela obediência a qualquer lei, negamos o poder de Cristo em nossa vida. Isto é o que Paulo afirma em Gál. 5:1-5.
"Obediência é o resultado de um relacionamento espiritual com Cristo e não o meio para alcançar esse relacionamento."
Ellen G. White escreveu:
"Há dois perigos contra os quais os filhos de Deus – particularmente aqueles s que só há pouco aceitaram Sua graça – devem, especialmente, evitar. O primeiro. . . é o de considerar as próprias obras, confiando em qualquer coisa que se possa fazer, a fim de se colocar em harmonia com a vontade de Deus. Aquele que procura se tornar santo por suas próprias obras, guardando a lei, tenta o impossível. Tudo que o homem possa fazer sem Cristo está poluído de egoísmo e pecado. . . .
"O erro oposto e não menos perigoso é o de que a crença em Cristo isenta o homem de guardar a lei de Deus, considerando que somente pela fé é que nos tornamos participantes da graça de Cristo e que as obras nada têm que ver com nossa redenção." – Caminho a Cristo, págs. 59-60.
O Bispo Hopkins ensinou:
"Pregar a justificação pela lei, como um concerto, é legalismo e torna sem efeito a morte e os méritos de Jesus Cristo. Mas pregar a obediência à lei como regra, é evangélico."

Paulo e a Lei

Há algumas expressões paulinas que são mal compreendidas porque não são explicadas de acordo com uma exegese correta.
Paulo escrevendo a Timóteo (I Tim. 1:8) expôs a sua concepção sobre a lei. "Sabemos, porém, que a lei é boa se alguém dela se utiliza de modo legitimo." A tradução da The New English Bible transmite bem a idéia do original: "A lei é uma excelente coisa, contanto que a consideremos como lei".

I. "Morrer para a Lei"

Em Rom. 7:4-6 ele declara que morremos para a lei e fomos dela libertados.
Em Gálatas 2:19 afirma: "Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. .."
O contexto e outros princípios exegéticos nos informam que as expressões: "morrer para a lei" e "ser libertados da lei" significam o seguinte: O laço que nos ligava à lei como caminho para ser aceito por Deus tem que ser quebrado.
Notem a declaração do comentarista Stamm: "A morte para, a lei significa deixar de obedecer á lei como meio que nos assegura a boa vontade divina."
Morrer para a lei, jamais quis significar que não temos mais a obrigação de guardar a lei, mas sim morrer para a lei como meio de justificação.
"Quem procura alcançar o céu por suas próprias obras, guardando a lei, tenta uma impossibilidade." – Mensagens Escolhidas, livro 1, pág. 364.
Os fariseus ensinavam que a "Torah" encerra os elementos da vida dos judeus; todos quantos lhe obedecessem viveriam, e aqueles que lhe fossem desobedientes morreriam. (Ver Deut. 30:11-20).
Com a expressão "morrer para a lei" Paulo fazia referências ao rompimento da crença que a guarda da lei era o caminho para nossa aceitação perante Deus.

II. "Não estais debaixo da lei"

Muitos evangélicos citam a expressão de Paulo: "não estamos debaixo da lei" (Rom. 6: 14-15; Gál. 5:18), querendo significar que a lei moral foi abolida.
Os adventistas ensinam que "debaixo da lei' significa "debaixo da condenação da lei". Não estar debaixo da lei não quer dizer estar desobrigado de cumpri-la, mas sim não ser culpado de sua transgressão. A única maneira de não estarmos debaixo da lei é cumpri-la. Se transgredimos uma lei, incorremos em multa, prisão, ou qualquer punição enfim.
A lei nos informa o que devemos fazer, a graça nos lembra que devemos aceitar a Cristo, porque Ele nos capacita a cumprir as exigências da lei. A graça divina não erradica a lei dando ao homem licença para pecar. Isto é amplamente expresso em Romanos 6-8.
O que Paulo fez foi condenar terminantemente crenças errôneas dos judeus como as seguintes: a lei para ele era equivalente ao plano divino para a salvação do mundo; o homem era aceito por Deus guardando os seus mandamentos.

III. "Sem lei se manifestou a justiça de Deus" Rom. 3:21.

Com esta declaração Paulo tinha em mente a justiça independente das obras da lei, dos méritos humanos.

IV. "O Sábado findou na cruz"

O Sr. Walter Martin, no livro The Truth About Seventh Day Adventism afirma que o sábado como lei se cumpriu, não sendo mais obrigatório aos cristãos. Na página 161 ele afirma: "Em mais de um lugar, o Novo Testamento comenta desfavoravelmente sobre a prática de qualquer tipo de observância legalista de dias", acrescentando mais adiante que "o apóstolo Paulo ensinou que o sábado, assim como a lei se cumpriu na cruz e não era obrigatório aos cristãos."
Em defesa de suas afirmações cita textos do Novo Testamento, sendo o primeiro deles Col. 2:13-17. A explicação para este texto bíblico se encontra em nossa apostila: Leia e Compreenda Melhor a Bíblia.
Poucos versos do próprio Paulo são suficientes para provar que ele jamais foi contra a lei.
Rom. 3:31 – "Anulamos, pois, a lei, pela fé? Não, de maneira nenhuma, antes confirmamos a lei."
Rom. 7:12 – "Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo e justo e bom."

A. R. Vidler, em seu livro Natural Law, pág. 25, escreveu:
"A lei é de utilidade aos crentes como um padrão de obediência a Deus, na vida de fé, por meio da qual os frutos do Espírito possam surgir."

Aparente Contradição de Paulo

"O objetivo da Epístola aos Romanos, comparado com o da Epistola aos Gálatas, explica uma aparente contradição entre as duas cartas: Numa, é permitida a observância dos dias (Rom. 14:5); noutra, é proibida (Gál. 4:10-11). A permissão é a favor dos judeus convertidos, que tinham escrúpulos de consciência com respeito a pôr de parte certos preceitos da Lei em que tinham sido educados. A proibição é para os gentios convertidos, aos quais os judaizantes ensinavam que só podiam ser salvos praticando o ritual judaico. Essa observância, com o fim de salvação, devia ser, portanto, condenada."2
Se aqueles que crêem que Paulo se opõe à lei moral em Gálatas (4: 9-11) atentassem para o contexto desta carta jamais chegariam a esta conclusão. O contexto de Gálatas é claro em informar-nos que Paulo a escreveu porque membros das igrejas da Galácia, influenciados por mestres judaizantes pensavam que poderiam ser salvos cumprindo as obras e minúcias do judaísmo (Gál. 2:16; 3:1-6). Paulo insiste que ninguém pode ser salvo por suas próprias ações, desde que a salvação é dom gratuito de Deus. 
The Interpreter's Bible, vol. X, págs. 429-443, na Introdução ao Livro de Gálatas, "salienta que Paulo queria livrar os crentes do conceito errado de que eles poderiam ser salvos observando a lei mosaica; esclarecendo-os também de que não deveriam guardar a lei dos Dez Mandamentos visando conquistar méritos diante de Deus para sua salvação."
Paulo dá ênfase a esta verdade fundamental: já lhes mostrei que ensinamentos da lei, visando dirigir a atenção dos homens para a vinda de Cristo, e tendo este cumprido Sua missão, não deveriam mais ser observados na dispensação cristã.
Antes de concluir são úteis ainda mais alguns pensamentos esclarecedores:
"Sob o Evangelho ficamos libertos do jugo da lei cerimonial e da maldição da lei moral. . . A lei moral não foi senão para a localização da ferida, e a lei cerimonial serviu como sombra precursora do remédio: Cristo, porém, é o fim de ambas."3
"A graça não importa em liberdade para pecar, mas numa mudança de senhores, e uma nova obediência e serviço. A graça não anula a santa lei de Deus, mas unicamente a falsa relação do homem para com ela."4
"A graça não elimina a obediência, mas antes torna-a imperiosa (Rom. 1:5 e 6:17)5
Paulo prevê esta objeção à doutrina da salvação pela graça por meio de nossa fé em Cristo. Se a salvação é "à parte da lei", então a lei é inútil. A resposta de Paulo é esta: A função da lei não é livrar do pecado, mas revelar o pecado.
Definindo a relação entre a lei e a graça disse Agostinho:
"A Lei é dada para que a Graça possa ser exigida; a Graça é concedida para que a Lei possa ser cumprida." 
Strong diz com convicção:
"A graça, contudo, não deve ser entendida como se ab-rogasse a lei, mas sim como reafirmando-a e estabelecendo-a (Rom. 3:21)."
Para a nossa salvação devemos aceitar a graça de Deus, e pelo nosso viver devemos exaltar a Sua Santa Lei.

Referências:
1.   Our HopeRay C. Stedman. Citado no Ministério Adventista, julho/agosto, 1962, pág. 20.
2.   História, Doutrina e Interpretação da Bíblia, Joseph Angus, pág. 150.
3.   Comentários das Escrituras de Mateus Henry (autor presbiteriano).
4.   Word Studies in the New Testament, vol. III, pág. XI. Vincent.
5.   Comentário de Russell Norman Champlin sobre Efés. 2:8 em O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo.








Assine Agora.

Receba Estudos Biblicos diariamente no seu E-mail.