USO E ABUSO DA LÍNGUA


USO E ABUSO DA LÍNGUA
Na cabeça há sete orifícios naturais. Todos vêm em pares – dois ouvidos, dois olhos,
duas narinas – com exceção da última, que é a boca. Suponho que ninguém desejaria duas
bocas. A maioria de nós já tem problemas suficientes com uma!
Se você fosse às Escrituras fazer um estudo sistemático e completo de tudo que elas
dizem sobre a língua, os lábios, a boca, as palavras e a conversação, gastaria muitas horas.
Qualquer concordância completa terá páginas de referências destas palavras. Aliás, duvido
que haja outro assunto individual que ocupe mais espaço nas Escrituras que o uso da nossa
língua e boca.
Creio que quando Deus concedeu ao homem a habilidade de falar inteligentemente,
com frases e idéias consecutivas, estava validando a afirmação de que Deus criou o homem
à sua própria imagem. Quando Deus confiou ao homem o poder de falar, estava confiandolhe
sua própria autoridade e habilidade criativa, pois foi através das palavras de Deus que
toda a criação veio à existência.
Como diz o Salmo 33.6: “Os céus por sua palavra se fizeram, e pelo sopro de sua
boca o exército deles”; e em Hebreus 11.3: “Pela fé entendemos que foi o universo formado
pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem”.
Nenhum poder confiado a qualquer de nós tem maiores implicações para o bem e para o
mal que o poder da palavra. Conseqüentemente, é razoável que consideremos com muita
atenção a maneira com que empregamos este poder.
INSTRUÇÃO GERAL
Mateus 12 é um dos capítulos mais penetrantes do Novo Testamento. Uma parte das
palavras de Jesus aqui refere-se à língua. Ele está falando sobre a árvore e os seus frutos.
“Ou fazei a árvore boa e o seu fruto bom, ou a árvore má e o seu fruto mau; porque pelo
fruto se conhece a árvore. Raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus?
Porque a boca fala do que está cheio o coração” (vv.33,34).
O coração é a árvore, e a boca é o fruto da árvore. A árvore (o coração) é conhecida
pelo fruto (as palavras). O que sai da sua boca demonstra o que está no seu coração. Jesus
prossegue, aplicando isto especificamente às nossas palavras.
“O homem bom tira do tesouro bom coisas boas; mas o homem mau do mau tesouro
tira coisas más” (v.35). Não existe um nível intermediário entre o bem e o mal. Ou é bom até
o fim, ou é mau até o fim. É a mesma corrente do início ao fim. Não pode se alterar.
“Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no
dia de juízo; porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás
condenado”(vv. 36.37). Em última análise, o destino da nossa alma é determinado pelas
nossas palavras. Teremos que dar conta de cada palavra frívola que pronunciamos. Deus
nunca usa palavras vãs. Ele sustenta cada palavra que profere. E nos diz: “Que suas
palavras sejam assim. Não use palavras vãs. Se usar, terá que dar conta delas”.
A epístola de Tiago provavelmente examina o assunto da língua de forma mais
completa e penetrante que qualquer outra parte do Novo Testamento. Olhe apenas para um
versículo: “Se alguém supõe ser religioso, deixando de refrear a sua língua, antes
enganando o próprio coração, a sua religião é vã” (1.26).
Não quero me tornar pessimista ou crítico, mas para mim, com este golpe de caneta,
foram riscados setenta e cinco por cento da religião atual. As pessoas que praticam religião
não têm domínio sobre a sua língua. E a Bíblia diz: “Se você não dominar a sua língua, sua
religião é vã”.
PROBLEMAS DA LÍNGUA
Vamos examinar sete problemas específicos que encontramos relacionados com a
língua.
O problema número 1 é falar demais.
A seguir temos duas passagens que tratam desta questão. “No muito falar não falta
transgressão, mas o que modera os seus lábios é prudente” (Pv 10.19). “Porque da muita
ocupação vêm os sonhos, e a voz do tolo da multidão das palavras” (Ec 5.3).
Se alguém conversa o tempo todo, está simplesmente demonstrando a todos o que
realmente é, pois a voz do tolo se conhece pela multidão das suas palavras. Além disse,
lembre-se das palavras de Jesus: “Porque a boca fala do que está cheio o coração”. Uma
língua irrequieta denota um coração irrequieto. Uma pessoa que não pode ficar calada não
está tranqüila, por mais que fale sobre paz e alegria. Em todas essas coisas, ela proclama
sua inquietude interior pelo que flui continuamente da sua boca.
O problema número 2 são palavras vãs.
Como já tratamos deste problema nos parágrafos anteriores, vamos apenas
mencioná-lo aqui. Em Mateus 12.36, que já citamos, está escrito: “Digo-vos que de toda
palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo”. No Sermão da
Montanha, há um versículo paralelo: “Seja porém, a tua palavra: Sim, sim; não, não. O que
disto passar, vem do maligno” (Mt 5.37).
A história da linguagem é uma história de palavras cujo significado se perde pelo
abuso delas. Pense em palavras como “fantástico”. Hoje elas não têm significado algum,
porque se as pessoas querem empregar uma palavra forte para impressionar os outros,
usam essas palavras. Enfatizar exageradamente destrói rapidamente o efeito de uma
palavra. A melhor maneira de impressionar os outros não é empregar palavras
impressionantes; é simplesmente dizer o que você quer dizer.
O problema número 3 é o fuxico.
Eu não brinco com o fuxico, porque é algo terrível. Embora seja verdade que os
homens também fuxicam, basicamente concordo com o comentário de Ern Baxter que diz:
 “Fuxico é o risco ocupacional das mulheres”. A mulher normal da nossa sociedade tem muito
mais tentação e oportunidade de fuxicar do que o homem. Entretanto, estou ciente de que o
homem também fuxica.
Vamos ver o que a Bíblia diz a respeito do fuxico. “Não andarás como mexeriqueiro
entre o teu povo: não atentarás contra a vida do teu próximo” (Lv 19.16). “As palavras do
maldizente são doces bocados, que descem para o mais interior do ventre” (Pv 18.8).
Você sabia que é possível literalmente matar uma pessoa através de palavras? Sei de
casos reais onde ministros morreram sob o opróbrio, vergonha e feridas de línguas
maliciosas. Jeremias 18.18 diz que os inimigos de Jeremias falaram: “Vinde, firamo-lo com a
língua, e não atendamos a nenhuma das suas palavras”. Muitos servos de Deus morreram
de feridas causadas pela língua.
No Novo Testamento, examinaremos duas passagens: “Além do mais aprendem
também a viver ociosas (falando a respeito de mulheres na igreja), andando de casa em
casa; e não somente ociosas, mas ainda tagarelas e intrigantes, falando o que não devem”
(1 Tm 5.13).
“Não sofra, porém, nenhum de vós como assassino, ou ladrão, ou malfeitor, ou como
quem se intromete em negócio de outrem” (1 Pe 4.15).
Você não acha interessante o intrometido ser classificado junto com os assassinos,
ladrões e malfeitores? A maioria dos religiosos ficaria horrorizada ao ser classificado como
um assassino, ladrão ou malfeitor – no entanto, muitos deles são intrometidos.
O problema 4 é a mentira.
Vamos começar novamente no livro de Provérbios. “Seis coisas o Senhor aborrece, e
a sétima a sua alma abomina: Olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue
inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal,
testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos” (Pv 6.16-
19).
Das sete coisas abominadas pelo Senhor, três se relacionam com a língua: a língua
mentirosa, a testemunha falsa, e o que semeia contendas entre os irmãos. Provérbios 12.22
confirma isto, quando diz: “Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor”. “Abominação”
é a palavra mais forte que se pode usar para descrever o que desagrada a Deus. Por outro
lado, no final do versículo lemos: “mas os que obram fielmente são o seu prazer”.
Encontramos mais um versículo sobre mentir no Apocalipse, onde há três
advertências a respeito do perigo de mentir nos últimos dois capítulos. Apocalipse 21.8 diz:
“Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos
impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no
lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte”.
Todos os mentirosos são destinados para o lago de fogo. Não quero estender-me
nesse assunto, mas sejamos honestos – há muitos cristãos mentirosos. Embora eu não seja
o juiz, fico me perguntando o que lhes acontecerá no último dia. Não quero ignorar a Palavra
de Deus que afirma que todos os mentirosos acabarão no lago de fogo. Creio que isto
significa literalmente o que está escrito; contudo, lembremos também que sempre há
arrependimento para aqueles que quiserem voltar-se a Deus.
O problema número 5 é a bajulação.
Creio que a maioria das pessoas não entende o perigo da bajulação, e nem o quanto
é desagradável a Deus. Como pregador da Palavra, aprecio a genuína gratidão e sou
estimulado pelas expressões de estima das pessoas que me ouvem; entretanto, aprendi a
vigiar contra bajulação, pois muitos servos de Deus têm se enredado por meio desse
instrumento. Eu poderia citar os nomes de diversos homens que foram bajulados a ponto de
serem cativados e de perderem os seus ministérios.
O Salmo 12 diz: “Socorro, Senhor! Porque já não há homens piedosos: desaparecem
os fiéis entre os filhos dos homens. Falam com falsidade uns aos outros, falam com lábios
bajuladores e coração fingido. Corte o Senhor todos os lábios bajuladores, a língua que fala
soberbamente” (vv. 1-3). São palavras bem claras, e outra vez acho que a maioria das
pessoas concordaria que há uma abundância de insinceridade entre o povo religioso – uma
riqueza de palavras açucaradas que no fim não significam nada. Tome cuidado com
pessoas de lábios bajuladores!
O problema número 6 são palavras precipitadas.
Provérbios 29.20 diz: “Tens visto um homem precipitado nas suas palavras? Maior
esperança há para o insensato do que para ele”. Esta é uma afirmação muito penetrante.
Não diga tudo que sente na hora que sente. Se você fizer assim, acabará entrando em
problemas sérios. Aprenda a se dominar.
No Salmo 106 temos um quadro bem trágico de Moisés, que perdeu o privilégio de
guiar o povo de Deus para a terra prometida por causa de uma frase impetuosa que
pronunciou. Nada poderia melhor nos mostrar até que ponto Deus é exigente quanto à
nossa maneira de falar do que esse acontecimento com Moisés.
Os filhos de Israel estavam se queixando da falta de água, e Deus ordenou a Moisés:
“Volte ao povo, e fale à rocha. Quando você falar, a água sairá”.
Da outra vez, Moisés havia tirado água da rocha, ferindo-a com a sua vara. Agora, por
estar realmente irado com o povo, ao invés de fazer como Deus ordenou, ele feriu a rocha
outra vez e disse: “Precisamos tirar água para esses rebeldes?” Deus o honrou, e a água
saiu, mas depois numa conversa particular com Moisés, Deus disse: “Moisés, você perdeu o
privilégio de guiar o meu povo para a terra prometida, porque não me honrou com as suas
palavras.”
Salmo 106.32,33 refere-se a isso: “Depois o indignaram nas águas de Meribá, e, por
causa deles, sucedeu mal a Moisés, porque irritaram o seu espírito de modo que falou
imprudentemente com seus lábios”. Você sabia que quando seu espírito se provoca, muitas
vezes você fala imprudentemente? Isto é falar precipitadamente, e Deus nos adverte a esse
respeito.
O problema número 7 são palavras negativas.
Este é um dos “pecados respeitáveis” praticados regularmente por pessoas religiosas.
Normalmente não é considerado pecado. “Não tenho fé.” “Não creio que conseguirei o
dinheiro a tempo.” “Tenho certeza que será preciso fazer uma operação.” As palavras
podem ser muito educadas, respeitáveis e religiosas, mas em muitos casos são inaceitáveis
a Deus.
Muitas vezes, cavamos nossas próprias sepulturas com nossas bocas. Há muitas
pessoas mortas hoje que não deveriam ter morrido. Morreram por causa daquilo que
falaram.
Darei um exemplo de Números 13, onde temos a história dos doze espias que foram
enviados para a terra prometida. Os doze espias viram a mesma coisa e tiveram a mesma
experiência. Não houve diferença entre suas circunstâncias nem entre sua procedência. Dez
voltaram dizendo: “Oh, é uma boa terra, mas está cheia de gigantes. As cidades são
muradas até os céus, e sentimo-nos como gafanhotos aos nossos próprios olhos”. Dois
espias disseram: “É uma terra maravilhosa. Entremos para possuí-la”.
O contraste entre os dois pontos de vista pode ser visto claramente em Números
13.30,31: “Então Calebe fez calar o povo perante Moisés, e disse: Eia! Subamos, e
possuamos a terra, porque certamente prevaleceremos contra ela. Porém os homens que
com ele tinham subido, disseram: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais
forte do que nós”. Josué e Calebe disseram: “Somos capazes”; os outros dez falaram: “Não
somos capazes”. Cada um selou o seu próprio destino pelo que disse. Aqueles que
disseram que não podiam subir, realmente não puderam. Aqueles que disseram que podiam
subir, puderam de fato subir. Selaram seu próprio destino pelo que disseram, e assim
acontece vez após vez com os cristãos até hoje.
SETE REMÉDIOS
Chegamos agora aos remédios para esses sete problemas com a língua, e por
estranho que pareça, o número dos remédios é sete também!
O remédio número um é reconhecer que o abuso da língua é um problema do
coração.
Já vimos em Mateus 12.33,34 que o problema está no nosso coração. Além disso,
Tiago 3.10-12 diz: “De uma só boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não é
conveniente que estas coisas sejam assim. Acaso pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que
é doce e o que é amargoso? Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas, ou a
videira, figos? Tão pouco fonte de água salgada pode dar água doce”.
Assim, novamente se compara o coração com a árvore, e as palavras que saem com
o fruto. Provérbios 4.23, uma das minhas passagens prediletas, diz: “Sobre tudo o que se
deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida”. O que sai da
sua boca vem do seu coração. A boca é o barômetro do coração.
Remédio número dois: Confesse os seus pecados e seja purificado.
Muitas pessoas não gostam de usar a palavra “pecado” para descrever suas faltas no
uso da língua. Mas palavras erradas constituem pecado. Quando as encararmos como
pecado, começaremos a ver resultados. Enquanto as tolerarmos, nos desculparmos, ou
tentarmos nos esquivar da responsabilidade, não haverá modificação. 1 João 1.9 diz: “Se
confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos
purificar de toda injustiça”.
Deus tem um remédio para os problemas da língua, mas enquanto não os
reconhecermos como pecado, confessando e nos arrependendo deles, e buscando de Deus
o perdão e a purificação, não estamos aceitando o remédio de Deus.
Remédio número três: Recuse o mal, entregue-se a Deus.
Há uma dupla decisão que precisamos tomar. Paulo diz em Romanos 6.12,13 que
primeiro devemos recusar que os membros do nosso corpo sejam usados como
instrumentos de injustiça e pecado. Diga ao diabo: “Você não pode ter minhas mãos; você
não pode ter meus pés; e acima de tudo, não pode ter minha língua. Quando Jesus morreu,
ele comprou a minha língua junto com todo o meu ser, e, Satanás, não vou deixar que você
domine a minha língua”.
Segundo, entregue-se a Deus e os seus membros como instrumentos de justiça sob a
obediência. Diga deliberadamente a Deus que você quer que sua língua seja um
instrumento de justiça e que a está entregando a ele para este fim.
Remédio número quatro: compreender por que você tem uma língua.
Se você não compreender isso, nunca há de entrar verdadeiramente naquilo que
Deus lhe oferece. Por que Deus pôs uma língua na sua boca? As Escrituras nos
esclarecem.
No Salmo 16.9, o salmista Davi diz: “Portanto está alegre o meu coração e se regozija
a minha glória: também a minha carne repousará segura”. A que Davi se referia quando
disse “a minha glória”? Encontramos a resposta em Atos 2.26, onde Pedro cita este salmo:
“Por isso se alegrou o meu coração, e a minha língua exultou”. Sua glória é a sua língua. Por
quê? Porque lhe foi dada para um supremo propósito: glorificar a Deus.
Sua língua é a sua glória. Se você puder alcançar essa verdade e meditar sobre ela e
agir sobre ela, sua vida será revolucionada.
Remédio número cinco: resolva louvar a Deus.
Louvor é resultado de uma decisão. Foi por isso que Davi disse: “O meu coração está
firme; cantarei e entoarei louvores” (Sl 57.7). Uma vez eu disse: “Mesmo que o telhado caia,
vou louvar ao Senhor”. No momento, eu estava pregando longe de casa, e telefonei para
casa para perguntar: “Como estão as coisas?”
“Tudo bem”, veio a resposta, “o telhado caiu.”
Fui apanhado pelo meu próprio testemunho e tive que dar graças!
Vamos examinar uma das decisões de Davi. O título introdutório de Salmo 34 nos
conta que Davi estava na corte do rei filisteu, fugindo para salvar a sua vida, e fingindo ser
maluco. Nesta época, ele tomou a decisão: “Bendirei o Senhor em todo o tempo, o seu
louvor estará sempre nos meus lábios. Gloriar-se-á no Senhor a minha alma; os humildes o
ouvirão e se alegrarão. Engrandecei o Senhor comigo e todos à uma lhe exaltemos o nome”
Primeiro você toma uma decisão individual: “Eu vou agir assim”. Depois, você
encontra outras pessoas de igual pensamento, e diz: “Vamos fazer isso juntos”. Porém a
decisão individual vem primeiro.
Remédio número seis: Lembre-se de Cristo, seu sumo sacerdote.
Aqui está uma verdade importantíssima. Cristo é o nosso sumo sacerdote, que
intercede por nós, e que nos representa diante de Deus no céu.
O que você diz com a sua boca limita o que ele pode fazer por você no céu. Se fizer
uma confissão fraca, você terá um sumo sacerdote fraco em seu favor, pois ele é o sumo
sacerdote da sua confissão.
Hebreus 3.1 diz: “Por isso, santos irmãos, que participais da vocação celestial,
considerai atentamente o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão, Jesus”. Ele é o
sumo sacerdote das suas palavras. Se você cerrar os seus lábios, ele terá nada para dizer a
seu respeito.
Hebreus 10.21,23 o expressam dessa forma: “E tendo grande sacerdote sobre a casa
de Deus... guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar”. Faça sua confissão,
continue fazendo e não pare. É isto que significa em português claro.
Remédio número sete: Submeta-se à disciplina do Corpo de Cristo.
Esta é a última recomendação. Uma área da nossa vida que está
inquestionavelmente sujeita à disciplina do Corpo é a maneira pela qual falamos uns sobre
os outros. Se você estiver sujeito à disciplina do Corpo, não falará a respeito de outras
pessoas, porque, por uma razão, será embaraçoso você ter que ir pedir-lhes perdão. E se
você não for pedir perdão, estará caminhando para um apuro pior ainda. Portanto, é melhor
ficar livre disso desde o princípio.
Vamos examinar a passagem de Mateus 18.15-17: “Se teu irmão pecar contra ti, vai
argüi-lo entre ti e ele só.” Isso é disciplina. Não vá contar a todos os outros primeiro. Esta
seria a reação da maioria dos cristãos. Se alguém me ofender, não falo com ele – falo com
todos menos com o irmão que me ofendeu. Depois torna-se quase impossível curar a
ruptura.
“Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo
depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. E, se ele não os
atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e
publicano.”
Isso é disciplina, e todos estamos sujeitos a ela se formos membros do Corpo de
Cristo. Agora, há dois aspectos disso: Primeiro, se alguém cometer algo que considero
errado, o que devo fazer? Devo ir à pessoa para curar a ruptura. Na maioria dos casos, se
você agir assim, a ruptura será curada.
Depois, há outro lado – e é aí que a maioria das pessoas cai. Quando alguém vai a
você e diz: “Você sabe o que o irmão Antônio falou sobre mim? Você sabe como ele está me
tratando?”, você tem que responder: “Você já conversou com o irmão Antônio?” Se a
resposta for “não”, você tem que dizer: “Então não converse comigo”. Essa é a verdadeira
disciplina. Doutra forma, você se torna um cúmplice posterior, em termos jurídicos, e
responsável por explodir a situação e criar uma ruptura no Corpo de Cristo.
É aí que a maioria de nós tropeça. Em Provérbios 25. 23 diz: “O vento norte traz
chuva, e a língua caluniadora, o rosto irado”. Se aparecer uma língua caluniadora, deve
aparecer também o rosto irado. É legítimo ser irado. Não receba a pessoa que proferir
palavras caluniadoras. Se pessoas vierem constantemente ao seu lar para contar histórias
sobre os outros, diga-lhes que sua sala não é um depósito de lixo. Se quiserem se dispor do
seu lixo, que procurem outro lugar.
Em conclusão, depois de ler essa mensagem, se você reconheceu que tem pecado
com a sua língua, ou tiver algum dos problemas que descrevemos, sugiro que você aplique
estes sete remédios, e confesse o seu problema agora como pecado. Se tiver ferido um
outro crente, pode ser necessário ir a ele e pedir que lhe perdoe. Enfrente a verdade sobre o
seu pecado e peça que Deus lhe perdoe. Peça que ele o purifique, e então creia que
recebeu dele o perdão e a purificação.

Assine Agora.

Receba Estudos Biblicos diariamente no seu E-mail.