Uma antiga novela mostra o significado da vida atual.

Texto: Livro de Rute


A pergunta mais profunda, mais abrangente e mais difícil que o homem tem que responder na época em que ele vive é “O que significa a vida?” Todos os dias estamos em contato com pessoas que trabalham para ganhar dinheiro, para levar comida para casa, para poder criar seus filhos que, por sua vez, vão crescer, enterrar os pais, trabalhar para ganhar a comida que precisam para ciar seus filhos e netos que continuarão nesta eterna mesmice. Vivem numa prisão de ocorrências que nunca muda, sem nenhuma perspectiva do controle da vida.
Foi assim para o povo de Israel na época dos juizes. O livro de Juizes ilustra 335 anos em que a coisa ia muito mal, mas eram justamente os anos em que Israel devia começar a usufruir da terra prometida. Agora, cada família tinha seu pedaço de terra. Ainda havia muito trabalho pela frente, mas o principal da conquista já tinha sido feito. Chegou o momento de tomar posse mostrando para o mundo que Deus cumpre sua promessa.
Juizes descreve a história do ponto de vista do fracasso. Há um ciclo que ocorre várias vezes no livro de Juizes: o povo cai na idolatria e, como punição, Deus envia uma opressão. O povo clama a Deus e Ele tem misericórdia e envia um libertador. Isso acontece vez após vez. Parece que não há saída.
É como em nossas vidas. Há certas horas em que somos levados a pensar que a vida consiste numa sucessão de pecado, conseqüência de pecado e libertação por Jesus. Ficamos cansados. Um enfado se apodera de nós. O escritor de Eclesiastes disse que não há nada de novo debaixo do sol, tudo é canseira e enfado. E é verdade que muitas vezes parece que não há nada que realmente vale a pena nesta vida.
Deus não nos permite pensar assim. Por isso o livro de Juizes não está sozinho no Antigo Testamento. Uma janela se abre no livro de Rute que nos ajuda a ver a vida como ela deve ser encarada. Trata-se duma história verídica que ocorre no período dos juizes durante os dias de Gideão.

Podemos encarar o livro de Rute como se fosse uma novela. Os quatro capítulos de Rute seriam os quatro capítulos da novela. Todos os acontecimentos do livro se interligam de uma maneira dinâmica, de maneira que é uma verdadeira aventura. Cada capítulo oferece uma explicação diferente para a vida.
  Capítulo 1 - A vida é uma tragédia
O primeiro capítulo é muito triste. Veja só de que maneira pitoresca as Escrituras nos apresentam estes quadros! “Nos dias em que julgavam os juizes, houve fome na terra, e um homem de Belém de Judá saiu a habitar na terra de Moabe com sua mulher e seus dois filhos. Este homem se chamava Elimeleque, sua mulher Noemi; seus filhos Malom e Quiliom” (Rute 1.1-2).
Deixe-me traduzir um pouco essas palavras. Belém significa “casa de pão”. Elimeleque significa “Deus meu Rei”. Malom significa “doente” e Quiliom significa “a morte”. Por isso, se você fosse um hebreu, você iria ler a passagem assim, “havia um homem da ‘Casa de Pão’ que sai a habitar a terra de Moabe porque havia fome na terra da ‘Casa de Pão’. Este homem se chamava ‘Deus é meu Rei’ e morava na ‘Casa de Pão’. Como não tinha pão na ‘Casa de Pão’, ‘Deus é meu Rei’ pegou sua mulher e seus dois filhos, Malom e Quiliom, ‘Doente’ e ‘Morte’ e foram até Moabe. E chegando lá ‘Deus é meu Rei’ morreu. E o ‘Doente’ morreu e ‘Morte’ também”.
Esta é a situação: uma coisa ruim leva a outra pior. Noemi está enfrentando uma tragédia. Ela sai da terra, buscando algo melhor. Lá na outra terra perde o marido e os dois filhos. Não tem mais herança. Não tem  mais quem cuide delas. Ela ouve dizer que na “Casa de Pão” voltou a ter pão. Quando resolve voltar, as duas noras resolvem acompanhá-la. Mas ela não acha certo: “Vocês não tem coisa alguma que prenda vocês a mim, vocês são jovens, vivam a vida, vão em frente”.
Orfa resolve voltar para casa, mas Rute diz aquelas palavras que nós conhecemos dos casamentos; “onde quer que fores, irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, e o teu Deus é o meu Deus” (v. 16). Assim, Rute resolve prosseguir junto com a sogra.
Imagine aquela vila de Belém quando Rute e sua nora começa a caminhar na rua principal. De repente as mulheres da rua começam a olhar Noemi e dizem: “Olha, apesar das rugas eu acho que é Noemi. Seu cabelo está mais branco. Olha o seu rosto, ele está marcado. “Não é esta Noemi?” (v.19), perguntam as mulheres que a conheciam. “O que aconteceu?” E começam a espalhar murmurinho.
Todo mundo vai ao encontro de Noemi (v. 20). “Noemi, que prazer ver você! Benvinda! Quanto tempo! Como foi?” “Não me chamem Noemi. Noemi significa feliz. Esse nome não serve para mim, sabe. Agora podem me chamar “Mara”, porque grande amargura me tem dado o Todo-Poderoso. Ditosa eu parti, porém o Senhor me faz voltar pobre. Por que pois me chamais feliz, ou Noemi, visto que o Senhor se manifestou contra mim? Aí acaba o primeiro capítulo da nossa novela. Para Noemi a vida não passara de uma amargura e tragédia.

Aplicação:
Pois é, muitas vezes nessas horas nós também culpamos a Deus como fez Noemi: “O Todo-Poderoso me fez isso. Ele tirou a alegria e ele me deu amargura”. Eu me lembro de uma irmã em uma igreja que pastoreei. Parecia que vida dela realmente era uma tragédia. Sua casa foi assaltadada duas vezes, teve um dos carros roubados. Depois perdeu o marido num desastre, num atropelamento sem lógica na frente duma igreja onde ele tinha ido assistir um casamento. Mais duas vezes foram assaltados em sua casa. Nessa hora a gente pergunta: “Será que a vida não passa de uma tragédia?” Para uns é pior, para outros é menos ruim, mas todos nós, de uma forma ou de outra, ja’vivemos uma tragédia.
  Capítulo 2 - A vida é uma sucessão de acasos
Começa um novo dia. Elas tinha chegado sem nada e Noemi conhecia muito bem os costumes da terra: Em Israel havia uma provisão legal dando aos pobres o direito de ir aos campos na hora da colheita e recolher o necessário para passarem o dia. “Noemi”, disse Rute, “agora vamos dar um jeito em nossa vida. Vamos cuidar primeiro da nossa comida. Você vai sair e recolher um pouco de mantimento e trazer aqui para a gente”.

Ela se foi e chegou ao campo e apanhava com os segadores. Mas aí a Bíblia diz (v. 3) “por casualidade entrou na parte que pertencia a Boaz, o qual era da família de Elimeleque”. Veja só que interessante: de todos os campos que existem em Belém, ela entra por casualidade no campo de Boaz, que, por casualidade, era parente do marido de Noemi que tinha falecido. Também por casualidade, naquele dia Boaz veio de Belém dar uma olhada na colheita.
Boaz perguntou, “quem é essa moça aí?” Ele começou a ficar interessado. Disse Boaz: “Rute, quer saber duma coisa? Você veio aqui hoje por acaso, mas de agora em diante você é convidada oficial minha. Você tem todos os direitos aqui”.
Aqui percebemos como um homem de negócios como Boaz começou a fazer coisas estúpidas. O homem mais machão, mais sério, mais controlado, mais matemático, financista que existe, nestas horas perde a cabeça. Ele diz, “Você pega tudo o que você quiser. Eu já dei ordem aqui, ninguém vai tocar em você. Você tem todos os direitos”.

Não somente isso! Ele diz para os homens: “Olha, vocês pegam algumas espigas, jogam ali perto dela. Quando ela estiver colhendo que tenha o mínimo de trabalho possível”. Ele, um homem de negócios, está dizendo: “Vamos diminuir um pouco o lucro”.
No fim do dia, ela volta para casa. Um bando enorme de espigas de cevada e Noemi faz a primeira pergunta: “Onde você roubou tudo isso?”
“Eu não roubei. Por acaso eu entrei num campo, de um homem chamado Boás, que me permetiu trazer essas espigas. Ah, e tem mais, ele falou que é seu parente”. Nessa hora a sogra quase desmaia. “Ah, Boaz, né?”
Noemi começou a ter algumas idéias. Começou um romance. Fico impressionado de ver como a Bíblia é cuidadosa em colocar no versículo 3 as duas palavras “por casualidade”. Muita gente vê a vida como um processo do acaso. Alguns têm um pouco mais de sorte, outros têm um pouco menos. Rute seria uma dessas pessoas que foram aborrecidas pela vida, mas, no entanto, parece que as coisas vão começar a estar a favor dela.
Têm certas pessoas que não têm a mesma sorte. Tudo acontece errado. Elas vão para o lugar errado, parece que casam com a pessoa errada, e por fim, arrumam emprego errado. Mas sabe, é assim mesmo. Um tem sorte, outro não tem. Rute é o exemplo de alguém que teve sorte. A Bíblia dá a impressão, pela descrição aqui, que de fato a história é essa. A vida não é simplesmente uma tragédia, mas é uma sucessão de acasos.

Capítulo 3 - A vida é uma grande armadilha
Noemi sabia que Boaz era um solteirão. Aquele tipo que não casava. Todo o mundo era caidinho por ele, mas ele não se definia. E Noemi começava a ficar preocupada: “Se eu não fizer alguma coisa, não vai dar em casamento. Eu preciso de um herdeiro. Rute é jovem. Ela precisa casar. Ela precisa me dar um neto”. E Noemi começou  a ter aquelas idéias normais de mulher que está querendo ser avó, ou mulher que está querendo tornar-se sogra.

— “Escuta Rute, nós vamos bolar um plano. Vamos fazer o seguinte: hoje você vai lá no campo”.
— “Ah, lógico. Eu vou sim. Inclusiva, já pus a roupa aqui”.
— “Não, não é bem assim. Você não vai agora, vai mais tarde”.
— “Mais Tarde? Mas agora é hora de colher”.
— “Não, você não está entendendo. Nós vamos fazer um negócio diferente dessa vez. Eu quero que você vá lá no seu baú e pega o seu vestido mais bonito. Lembra-se daquele que você usava lá em Moabe naquelas noites de lua cheia? Toma um bom banho. Eu quero que você fique linda, cheirosa. Capricha mesmo! E você vai sair de casa assim no final do dia. Provavelmente não vai dar tempo de vender cereais no mercado hoje. Boaz, que é o dono da colheita, vai ter que dormir lá para cuidar daquele montão de grãos. Você fica escondida até a hora em que ele estiver dormindo. Então vá e descubra os pés de Boaz. Acontece que ninguém agüenta ficar com o pé descoberto no clima da madrugada. Ele vai sentir frio, vai começar a tremer e vai levantar para se cobrir. Nessa hora, o que ele vai ver? Aquela visão monumental. Você vai estar ali sentada aos pés dele”.
Não há homem que resista a um plano como esse! Noemi tinha tudo preparado e Rute fez exatamente como ela tinha falado. De fato, Boaz não resistiu e pediu Rute em casamento.

Aplicação:
Aí termina o terceiro capítulo de nossa novela. Esta capítulo dá a impressão de que a vida é realmente uma grande armadilha, uma grande cilada. Quem for mais vivo, consegue mais. E olha, muita gente pensa assim: quem conseguir planejar o melhor bote fica com a melhor parte. A vida é dos sábios, dos espertos. Quem consegue enganar mais, sobe na vida. Quem é honesto e faz simplesmente o que deve fazer, não vai para frente. Você já não teve esse tipo de sentimento e pensamento passando por você?

Capítulo 4 - Deus controla as circunstâncias da vida
Havia um problema nas pretensões de Boaz. Boaz tinha todo direito dele continuar a descendência de Noemi, casando-se com Rute. Isso estava perfeitamente de acordo com a lei daqueles dias. Porém, havia um homem, cujo nome nós não sabemos, que era um parente mais próximo. Segundo costume da época, Boaz foi na prefeitura e colocou um cartaz bem grande de: “Vende-se um pedaço de terra que pertenceu à família de Noemi pelo preço de ...”, e aí ele escreveu pequenininho, lá embaixo: “Quem comprar a terra leva como brinde a viúva Rute”. E lá então passa o parente mais próximo que tem direito. Boaz está com uma grande expectativa, esperando que ele leia a parte principal e não leia o P.S. O homem passa e se interessa. “Vamos ver quanto é”. Pegou a calculadora. Faz lá os seus cálculos. “Eu acho que tenho dinheiro para comprar a terra”.

Aí Boaz disse, “Mas você prestou atenção no brinde?”
“Não. Esposa fica muito caro. Pode ficar com tudo para você”. E assim foi que Boaz conseguiu o direito de casar com Rute.
A história aparentemente termina num chá de nenê (v. 13,14). Lá estão todas as mulheres da cidade. Uma delas tem uma idéia brilhante: “Vamos dar um nome ao filho de Boaz”. Pois este era o costume. E deram o nome de “Obede”. A mãe e o pai ficaram contentes e aceitaram o nome, porém um nome de muito significado. O nome significa “certo”.

A história acaba aí. Parece que acaba tudo bem, vivendo felizes por muitos anos. Mas a chave desse livro se encontra precisamente nos últimos versículos. Aqueles que a gente lê rapidamente e não se interessa. Há uma pequena genealogia aí. Veja os versículos 18 em diante. “São estas, pois, as gerações de Perez. Perez gerou a Hesrom, Hesrom gerou a Rão”.
Nessa altura você já pára porque os nomes são difíceis de ler. Mas vamos continuar. Vamos ser persistentes. “Rão gerou a Aminadabe, Aminadabe gerou a Naassom, Naassom gerou a Salmon, Salmon gerou a Boaz, Boaz gerou a Obede, Obede gerou a Jessé e Jessé gerou a Davi”. Tudo indica que há um Deus trabalhando. Muitas vezes através das tragédias, muitas vezes usando casualidades e, certamente, contando com diversas ciladas e armadilhas. Mas acima de tudo há um Deus em ação.
A história do ponto de vista bíblico e cristão é muito mais do que uma tragédia, do que o acaso. A história é providencial. Há um Deus controlando todos os acontecimentos. Ele não se deixa surpreender por uma tragédia, nem por um acaso, nem por uma armadilha.
Há muita gente hoje passando por tragédias, surpreendidas pelo acaso, ou caindo em armadilhas. Crentes das nossas igrejas. Talvez até nós mesmos. Mas nós podemos ter certeza que há um Deus por trás de tudo, desenvolvendo um tema que Ele conhece e levando a história a um fim que ele já determinou.
Na época dos juizes cada um fazia o que parecia melhor aos seus olhos. Deus, no entanto, estava preservando o plano eterno da redenção, de tal maneira que através de uma moabita, Ele suscitou o descendente que mais tarde seria o ancestral de Jesus Cristo. Esse é o nosso Deus, o Deus que controla a história.

Se Deus controla a história, consequentemente Ele também controla as nossas vidas. Não existe tragédia, cirscuntâncias, catástrofe, ciladas e armadilhas que possa bairrar e impedir o amor de Deus em sua vida - até o mal que nos é feito, Deus pode transformá-lo em bem.
A grande lição que fica para todos nós neste novela é: Deus está no controle da nossa vida e da história.

- Você esta passando ou passou por uma tragédia? Deus está no controle de tudo!!!
- Você se sente eu já se sentiu abandonado(a) ao acaso? Deus está no controle de tudo!!!
- Você já foi ou está sendo aprisionado por uma armadilha? Deus está no controle de tudo!!!
O desafio de hoje é este: mesmo que você não entenda; mesmo que você não concorde; mesmo que você esteja sofrendo...você aceita e crê que Deus está no controle de tudo. E mais, você se submete a esse controle?

Observação: A quem honra, honra! Este texto chegou em minhas mãos, mas infelizmente não sei quem é o autor.

Assine Agora.

Receba Estudos Biblicos diariamente no seu E-mail.